Depois das críticas de Kevin Parker, secretário-geral do grupo de adeptos do Manchester City, que disse para Guardiola se calar e centrar-se no futebol, o técnico não deixou o representante dos adeptos sem resposta na conferência de antevisão ao encontro frente ao Southampton, marcado para amanhã.

O espanhol mostrou-se surpreendido pela reação de Parker, mas que não irá pedir desculpas por nada do que disse, considerando que o secretário-geral interpretou incorretamente as suas palavras.

"Eu disse depois do jogo que estava desapontado pelo estádio não estar cheio? Uma interpretação é uma interpretação. Estou surpreendido pelo que aconteceu com este senhor. Não é primeira vez que digo algo deste tipo na minha carreira. Não vou pedir desculpas pelo que disse. O que disse foi que precisávamos do apoio. Não interessa quantas pessoas vêm, mas convido-os a virem e a aproveitarem o jogo, porque precisamos do apoio", disse, citado pela Sky Sports.

"E nunca disse 'Porque é que não vêm?'. O Sr. Parker devia de rever os comentários que eu fiz no dia seguinte, mas não lhe vou pedir desculpas", acrescentou.

Presidente da associação de adeptos do City critica Guardiola: "Que se cale e que se centre no futebol"
Presidente da associação de adeptos do City critica Guardiola: "Que se cale e que se centre no futebol"
Ver artigo

Explicando que conhece a história do clube e que não quer que o clube seja como outros dos grandes do futebol europeu, Guardiola garantiu que nunca será um problema para os adeptos.

"Entenderem incorretamente e colocarem palavras na minha boca, disso não gosto. Nunca terei um problema com os meus adeptos. Se tiver, saio. Desde o primeiro dia que dou o meu melhor. Gosto de jogar no estádio com os meus fãs (...) disse para se juntarem a nós, para nos ajudarem a bater a equipa de Ralph [Hasenhutti, treinador do Southampton] porque sei o quão difícil será", frisou.

Guardiola voltou a considerar que Kevin Parker entendeu incorretamente as suas palavras e garantiu que gosta dos adeptos que tem.

"Foi esta a minha mensagem, se este senhor quer entender mal as minhas palavras, é um problema, mas estou aqui para defender o que disse. Se cometo erros, estou aqui para pedir desculpas, mas neste caso não o irei fazer. Isto é fazer parte de algo e fazê-lo juntos. Gosto dos fãs que temos", concluiu.

Esta troca pública de palavras começou depois do encontro do Manchester City frente ao Leipzig, que os 'citizens' venceram por 6-3. No final da partida, Guardiola pediu mais apoio nas bancadas para o jogo seguinte, frente ao Southampton.

"Gostava que viesse mais gente sábado. Vamos precisar, por favor, porque vamos estar muito cansados. Peço a todos que venham sábado às três da tarde", disse Guardiola, após ver apenas 38 mil espetadores nas bancadas na 1.ª ronda da Champions.

O pedido não caiu bem junto de Kevin Parker, secretário-geral do grupos de adeptos do Manchester City que considerou que o técnico questionou a lealdade e apoio dos adeptos.

"Não há dúvida que é o melhor treinador do mundo e devia limitar-se a isso. É francamente dececionante que questione o apoio e a lealdade dos adeptos, ninguém lhe pediu isso. Que se cale e que se centre no futebol", afirmou.

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.