O diretor de comunicação do FC Porto, Rui Cerqueira, negou esta sexta-feira que os adeptos do clube português tenham proferido quaisquer insultos racistas durante o jogo com o Manchester City. O dirigente portista argumentou  ainda que os cânticos de incentivo a Hulk podem ter sido mal interpretados pelos jogadores ingleses.

«O que podemos dizer é que não se passou nada de anormal e ninguém reparou em nada estranho, nem os delegados da UEFA que falaram connosco durante o jogo», afirmou Rui Cerqueira à Reuters.

A imprensa inglesa revelou esta sexta-feira que o Manchester City apresentou queixa à UEFA, alegando que Balotelli e Yaya Toure teriam sido alvo de insultados racistas com «imitações de macacos».

Rui Cerqueira considerou que «Hulk, Hulk, Hulk…», ou mesmo «Kun, Kun, Kun…» (em referência a Kun Agüero, avançado do City), «podem ser facilmente confundidos com cânticos racistas».

O diretor de comunicação acrescentou ainda que no FC Porto há jogadores de várias nacionalidades, e que não faz sentido falar de racismo no Dragão.

«Temos o orgulho de ter uma equipa com jogadores de várias nacionalidades e culturas, que obtiveram muitos títulos com base no respeito. Nunca um jogador do FC Porto sentiu qualquer indício de racismo», finalizou.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.