Na despedida de Wenger em casa para as provas europeias, o Arsenal não foi além de um empate a uma bola com o Atlético Madrid, em jogo da primeira-mão das meias-finais da Liga Europa. Lacazette marcou para os ingleses, Griezmann empatou para os espanhóis. O Arsenal falhou oportunidades em demasia, no último jogo europeu de Wenger em casa.

Aquilo que poderia ser a 'derrocada' do Atlético começou a 'desenhar-se' logo aos 10 minutos, quando Sime Vrsaljko foi expulso com duplo amarelo, depois de duas faltas muito duras. Esta expulsão entra para a história já que é a mais rápida de sempre na Liga Europa. Diego Simeone haveria de receber ordem de expulsão dois minutos depois, por contestar. de forma veemente, uma falta de um jogador do Arsenal, onde queria amarelo. O árbitro francês Clement Turpin mandou-o para a bancada.

Wenger, que defrontava a 125.ª equipa desde que assumiu o comando do Arsenal, em 1996, viu a sua equipa tomar de assalto a baliza de Jan Oblak mas as revelar uma falta de eficácia atroz. Os 'gunners' criaram tantas oportunidades no primeiro tempo que era difícil entender como não tinham marcado qualquer golo. Ao todo, fizeram 15 remates à baliza, igualando o máximo que tinham feito frente ao Manchester City sem marcar um golo, em dezembro de 2017. Lacazette atirou ao poste aos seis, viu Oblak negar-lhe o golo aos oito. O mesmo Oblak travou os remates de Welbeck aos 19, de Wilshere aos 21. E quando não estava Oblak ou as pernas dos jogadores 'colchoneros', eram os 'gunners' que não acertavam com a baliza.

O Atlético Madrid, mesmo a jogar com menos um, ia aguentando o Arsenal e tentava sair para o ataque. Os madrilenos ganharam um certo ascendente no jogo na parte final da promeira parte e estiveram mesmo perto de marcar por Antoine Griezmann aos 33 minutos. O lance é todo de Thomas Partey que recuperou a bola no seu meio-campo, passou por quatro adversários antes de a deixar no francês. O remate de Griezmann foi travado por Ospina que fez uma grande defesa.

O golo que vai desbloquear tudo saiu da cabeça de quem mais tinha tentado. Aos 61 minutos, Griezmann tentou fazer um 'túnel' a Wilshere à entrada da área e perdeu a bola. O inglês cruzou para a cabeça de Lacazette que bateu finalmente Oblak. Era o terceiro golo de Lacazette em meias-finais da Liga Europa, ele que se tornou no terceiro jogador com mais golos nesta fase da prova (Falcao tem sete, Kevin Gameiro marcou quatro)

A perder, German Burgos, adjunto de Simeone, tirou Gabi e meteu o avançado Kevin Gameiro, mas o jogo era do Arsenal. As oportunidades iam aumentando, mas a pontaria era a mesma da primeira parte. Vendo que a estratégia não estava a resultado, Burgos colocou o central Savic em campo, no lugar do extremo Correa, tentando refazer a defesa.

O Atlético Madrid, que hoje faz 115 anos, teve a sua prenda aos 81 minutos, oferta do francês Koscielny. Uma bola longa despachada pela defensiva espanhola foi parar aos pés de Griezmann, depois de Koscielny falhar o corte. O defesa francês voltou a ganhar a jogada, mas no corte, atirou contra o seu colega na seleção que, a segunda, bateu Ospina. Mustafi ainda tentou o corte, escorregou, fez o carrinho, a bola bateu-lhe no joelho, mas só parou no fundo da baliza. No minuto seguinte entrou Fernando Torres para o lugar de Griezmann.

O golo, 'caído do céu' é castigo mais que merecido para o Arsenal que falhou golos em demasia. Numa meia-final de uma prova europeia, quem falha tanto não pode lamentar-se de nada. Já o Atlético, sofreu como sempre, jogou mais de 80 minutos com menos um, aguentou e aproveitou a 'oferta' de Koscielny para ganhar vantagem na eliminatória. A segunda-mão joga-se na próxima semana no Wanda Metropolitano. Wenger não merecia este resultado.

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.