Jorge Jesus, treinador do Benfica, em declarações à SIC, após a vitória das águias por 4-2 frente ao Lech Poznan.

O jogo: "Foi uma vitória categórica da equipa do Benfica, esteve sempre por cima do jogo, sempre por cima do resultado, sabendo que jogávamos com uma equipa que fazia o seu quinto jogo para as competições europeias. Uma equipa atrevida, a equipa que nos fez mais remates à baliza. Fizemos quatro golos poderíamos ter feito mais, do ponto de vista ofensivo estivemos bem. Foi importante o Darwin ter feito golo e logo três. Tem estado a demonstrar a qualidade de assistências no campeonato. Temos a certeza que contratámos um grande jogador, um jogador top"

Chegar à final: "O nosso objetivo é esse, mas temos de ir jogo a jogo. Depois da fase de grupos vêm equipas de Champions, como o Benfica. Esta equipa [Lech] é mais forte que o PAOK, mas o Benfica já tem outras semanas de trabalho. Durante o jogo tivemos uns momentos complicados. Tivemos mais problemas defensivamente do que no campeonato em Portugal, foi uma equipa atrevida, gostei muito do Benfica mas também do nosso adversário"

Substituição de Pizzi: "Foi uma opção tática. Eu achava que o lateral esquerdo do Lech era um jogador que dava muita vantagem a quem jogasse ali por fora e o Pizzi fechava muito dentro. Expliquei ao Rafa que era uma vantagem jogar com esse jogador"

Braçadeira em Otamendi: "Como sabem os capitães de equipa já estavam distribuídos quando cheguei. Saíram dois, o André e o Rúben, e eu quando chego a um clube o facto de terem três ou quatro capitães de equipa pelo tempo, isso a mim não me diz nada, eu é que escolho. Dos cinco, um deles tinha de ser novo. Tinha duas hipóteses, o Otamendi ou o Vertonghen. O Vertonghen não falava português e ficou o Otamendi e vai continuar"

*Artigo atualizado às 21h46

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.