O treinador do Spartak de Moscovo considera quase impossível recuperar da goleada (5-1) na segunda “mão” dos quartos-de-final da Liga Europa de futebol, mas espera que a sua equipa mostre o seu verdadeiro valor.

«Depois de uma derrota com cinco golos, teve lugar uma queda psicológica, agravada pelo empate caseiro frente ao Terek de Grozni», afirmou Valeri Karpin, em conferência de imprensa no Estádio Lujniki.

No entanto, o técnico espera que a formação russa mostre o seu verdadeiro valor. «Vamos esquecer os cinco golos e entrar com 'ganas' de mostrar que esse não é o nosso verdadeiro nível», frisou Karpin.

O avançado do Spartak Artem Dziuba, que também participou na conferência de imprensa, revelou que, após uma conversa conjunta no último fim de semana, o plantel concordou na necessidade de melhorar.

«A equipa juntou-se e falámos dos problemas abertamente. A equipa compreendeu as exigências. Jogámos bem 25 minutos no Porto, mas podemos jogar a partida completa», explicou o jogador russo, admitindo que a equipa passa por um momento psicológico menos bom.

Dzyuba destacou, entre os jogadores do FC do Porto, os colombianos Falcao, reconhecendo-o como «um atacante de ‘top’, de classe», e Guarín, «um médio seguro», assim como Varela e Hulk.

Karpin retomou a palavra para reconhecer que há sérios problemas no balneário do seu clube, salientando que os jogadores nem sempre cumprem as suas orientações, e prometeu algumas alterações na equipa em relação à que jogou no Dragão.

«Jogar com cinco atacantes não significa que obteremos o resultado pretendido. Mas se chegarmos ao 2-0, claro que iremos arriscar mais», revelou.

Mais que o resultado, Karpin espera uma boa exibição do Spartak, que motive o plantel. «Ficarei muito satisfeito se vencermos 4-0, mas ficarei satisfeito se mostrarmos o nosso melhor jogo, se devolvermos a confiança aos jogadores». Depois de uma derrota tão pesada, não é preciso explicar nada aos jogadores».

Karpin calcula que nas bancadas vão estar apenas 15 mil adeptos do Spartak num Estádio que pode levar até 70 mil espectadores.

Quanto à sua possível demissão, fortemente noticiada na imprensa russa, Karpin disse à agência Lusa: «Qualquer treinador está sempre no limiar da demissão, qualquer jogo pode ser o último. Por exemplo, se perder 10-1».

O Spartak de Moscovo recebe o FC Porto na quinta-feira, em jogo da segunda “mão” dos quartos-de-final da Liga Europa, depois de ter perdido no Estádio do Dragão por 5-1.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.