Na óptica do técnico holandês Van der Gaag, o Marítimo realizou um bom jogo na Bielorrússia, mas falhou um aspecto que é fundamental: a finalização.

“Não é fácil. Mas, apesar do 3-0, a equipa bateu-se bem na Bielorrússia, anulámos bem um adversário de qualidade e criámos boas oportunidades. Mas quando jogamos ao nível da Liga Europa temos de marcar os golos. Era fundamental marcar, no mínimo, um golo. Infelizmente, não conseguimos e ainda sofremos três golos”, disse o técnico da equipa insular.

Van der Gaag realçou o factor casa para justificar o seu optimismo.

“Agora jogamos em casa e temos de acreditar e ter confiança. É óbvio que é uma fase difícil, pois apesar de jogarmos bem não conseguimos finalizar. Mesmo assim, a equipa está bem e não temos nada a perder, só a ganhar”, explicou.

Para Van der Gaag torna-se importante para a equipa limpar a imagem, depois de três derrotas consecutivas, duas das quais no campeonato.

“Estamos a jogar em casa, perante os nossos adeptos, e queremos limpar a nossa imagem. Dignidade acima de tudo. Se no final der para passar, será muito bom, senão temos pelo menos de dar tudo”, observou, antes de fazer uma análise ao adversário europeu.

“O BATE não é uma super equipa, mas é uma equipa forte. Temos de virar o 0-3 e vamos dar tudo. No futebol, tudo é possível. E apesar de não estarmos a marcar, a equipa tem jogado bem. São coisas positivas. E se não acreditarmos será mais difícil”, explicou Mitchell Van der Gaag.

O técnico também realçou a decisão da UEFA em deixar que a equipa possa realizar o jogo no Estádio dos Barreiros, no Funchal.

“Os Barreiros é a nossa casa. Toda a gente gosta de jogar na sua casa

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.