Os Camarões foram hoje a primeira selecção a ser afastada do campeonato na África do Sul, ao perder com a Dinamarca – que ainda luta pelo apuramento – por 2-1, em jogo da segunda ronda do grupo E.

“Reconheço o fracasso no Mundial, mas trabalhei pelo bem da selecção. Não me vou demitir”, disse Le Guen, que ainda tem um mês de contrato com a Federação dos Camarões.

Antes do jogo, o técnico tinha pedido um espírito de “leão indomável” aos seus jogadores e hoje, apesar da derrota, o sentimento foi de que a equipa “teve alma”, mas que as coisas não saíram bem.

Le Guen lamentou, pelo “povo camaronês”, a eliminação e disse ainda que na última jornada, com a Holanda, resta à equipa jogar “o máximo” e defender o país com honra, não sem antes terminar a dizer que hoje a equipa “deu tudo o que podia dar”.

No lado da Dinamarca, Morten Olsen foi crítico com os erros elementares da sua equipa e lembrou o lance em que Christian Olsen falhou um passe e Webo aproveitou para servir Eto´o para o 1-0.

“Começámos bem, mas cometemos um erro que os Camarões aproveitaram. Depois mostrámos personalidade, mas voltamos a cometer erros que não se podem repetir num torneio como este”, referiu.

Na opinião do treinador dinamarquês a sua equipa, que discutirá com o Japão a qualificação para os oitavos, ainda tem muito a melhorar.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.