“Quero esclarecer que nunca tive e não tenho qualquer problema como o treinador e jamais foi minha intenção colocar em causa a liderança e as decisões do professor Carlos Queiroz. As minhas palavras foram proferidas a quente, e sem o melhor discernimento, pois o jogo tinha terminado há pouco e sentia-me profundamente frustrado por não ter ajudado a equipa a ganhar. A primeira parte do jogo não correu bem. Na segunda parte havia mais espaço e eu estava convencido de que poderia ajudar a equipa. Nenhum jogador gosta de ser substituído e eu muito menos. Acreditava que a qualquer momento podia fazer uma assistência ou até um golo que decidisse o jogo. Daí a minha frustração. Motivada principalmente por não poder ajudar a minha equipa. Mas em momento algum quis por em causa o treinador”, disse o internacional português.

"Temos mais dois jogos pela frente e queremos conseguir chegar aos oitavos-de-final do Mundial. É nesse objectivo que nos vamos concentrar.", concluiu o número 20 da Selecção Nacional.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.