A realidade é dura e dói, mas a verdade é que, pelo que fez nos quatro jogos disputados, Portugal não tem muito o que lamentar pela saída do Mundial2018. Em Sochi, contra o Uruguai, Portugal voltou a não ter ‘mão’ no seu futebol, saindo derrotado (2-1) e eliminado da prova. Porém, este ainda foi o jogo mais 'esforçado' dos campeões europeus.

Para o encontro deste final de tarde, início de noite na Rússia, Fernando Santos fez várias alterações na equipa inicial da seleção portuguesa, começando pelo corredor da defesa, com a entrada de Ricardo Pereira no lugar de Cédric. Apesar de ter treinado condicionado, William Carvalho manteve-se no meio-campo. Bernardo Silva foi a outra novidade, além de Gonçalo Guedes no ataque, que jogou ao lado de Cristiano Ronaldo.

O único golo do primeiro tempo foi marcado aos sete minutos, numa jogada muito rápida, que iniciou em Cavani, autor do golo. Suárez libertou-se de Ricardo, cruzou para a área, onde apareceu o avançado do Paris Saint Germain a cabecear para o fundo das redes.

Em vantagem, a equipa sul-americana manteve-se muito focada no jogo, tapando estrategicamente os ‘buracos’, de forma a que Portugal não desenvolvesse o seu futebol. Tal como tem acontecido durante o Mundial, Portugal continuou com dificuldades próprias, parecendo perdido em campo, sem novas soluções perante a excelente teia montada pelo Uruguai, em que não se limitou a defender, mas a anular o meio-campo, o setor mais vulnerável dos campeões europeus desde que chegaram à Rússia.

Portugal saía para o intervalo em desvantagem, pela primeira vez neste campeonato do mundo.

Na segunda parte, Portugal até entrou bem e o golo de Pepe veio dar alento. Aos 55 minutos, Guerreiro cruzou para a área e Pepe, que estava livre de marcação, cabeceou sem oposição para o fundo das redes, fazendo o empate.

Porém, a esperança dos portugueses durou pouco, uma vez que, novamente Edison Cavani bisou na partida. Aos 62’, numa jogada que começou numa reposição de bola de Muslera, Pepe falhou o corte e Nandez meteu em Cavani, que rematou em arco e fez um grande golo, sem hipótese para Rui Patrício.

O Uruguai sofreu um duro golpe com a lesão de Cavani. Autor de dois golos, o avançado do PSG foi ajudado por Cristiano Ronaldo, que o levou para fora de campo. Esta deverá ser uma das imagens mais marcantes desta prova, que agora termina para Portugal.

Já com André Silva, Manuel Fernandes e Quaresma em campo, Portugal ainda se esforçou, mas ter bola nos pés e não ter ideias é o mesmo que não ter nada. Cristiano Ronaldo ainda viu cartão amarelo por protestos ao árbitro em tempo de descontos. Altura em que os portugueses ficaram a reclamar uma grande penalidade, mas, na repetição, verifica-se que não há motivos para tal.

O Mundial da Rússia fica assim órfão de Messi e Ronaldo, por vezes com reputações maiores do que as suas seleções.

Agora, Uruguai vai defrontar nos quartos de final, na sexta-feira, em Nijni Nogovorod, a França, que hoje eliminou a Argentina (4-3), no primeiro jogo dos oitavos de final.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.