Durante a segunda parte do Portugal-Uruguai, o jogo foi interrompido por breves instantes devido à invasão de campo de Mario Ferri, de 35 anos. O italiano levou consigo uma bandeira LGBTQIA+, assim como mensagens de apoio à Ucrânia e às mulheres do Irão.

Ferri acabou por ser capturado, tendo sido libertado horas depois após ter assinado um termo onde indicava que não repetiria este ato.

Pouco depois o italiano foi visto a circular pelas ruas de Lusail e, ao falar com a 'Globoesporte', referiu que foi bem tratado pela polícia local, e que até teve uma troca de palavras com o presidente da FIFA, Gianni Infantino.

"Escolhi o melhor cenário para transmitir as mensagens. Quando me prenderam, o Infantino (presidente da FIFA) desceu e perguntou "Porquê? Porquê? Porquê?". Ele lembrava-se de mim dos outros Mundiais. Eu disse: porque jogamos ao polícia e ladrão. Eu contra 5 mil", afirmou Ferri.

Tudo sobre o Mundial2022: jogos, notícias, reportagens, curiosidades, fotos e vídeos

Mario Ferri, também conhecido por 'Falcão', disse que tem bilhete para os jogos Irão-Estados Unidos, desta terça-feira, e Brasil x Camarões de quinta-feira. Todavia, o italiano diz que não vai voltar a invadir o relvado.

"Assinei uma declaração para que eu não voltasse a fazer isso. Mas eles deixaram-me ver as partidas. Eu pedi: "Posso ver as partidas?". Disseram: "Sim, você é bem-vindo. Pode permanecer no Qatar." Entenderam bem a mensagem", disse Ferri.

Esta foi a 11ª invasão de campo feita por Mario Ferri, mas apenas a terceira vez que o faz no Campeonato do Mundo.

O SAPO está a acompanhar o Mundial mas não esquece as vidas perdidas no Qatar. Apoiamos a campanha da Amnistia Internacional e do MEO pelos direitos humanos. Junte-se também a esta causa. 

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.