O governo britânico pediu hoje desculpa às famílias de 97 adeptos do Liverpool que morreram no estádio Hillsborough há 34 anos, ao apresentar uma carta que visa diminuir drasticamente que outros passem pelo mesmo tipo de injustiça.

No entanto, recusou-se a apoiar os apelos dos ativistas para exigir legalmente que os organismos públicos, incluindo a Polícia, dissessem a verdade e cooperassem proativamente com investigações e inquéritos oficiais em casos de catástrofes públicas.

O desastre de Hillsborough, em Sheffield, aconteceu em 15 de abril de 1989 e provocou a morte, por esmagamento, a 95 adeptos do Liverpool e ferimentos em 766. Dois outros envolvidos no incidente morreram no ano seguinte e em 2021.

Com o Estádio Hillsborough, com capacidade para 54 mil espetadores, praticamente lotado, mais de 2.000 adeptos do Liverpool que foram assistir ao jogo com o Nottingham Forest foram autorizados a invadir uma área em pé atrás de uma baliza e a abertura de alguns portões para aliviar o fluxo provocou o esmagamento.

Um inquérito original registou veredictos de morte acidental, que as famílias das vítimas se recusaram a aceitar.

Esses veredictos foram anulados em 2012, após uma investigação abrangente sobre o desastre que examinou documentos anteriormente secretos e expôs irregularidades e erros cometidos pela Polícia.

Em 2016, um júri concluiu que as vítimas foram “mortas ilegalmente”.

A proposta Lei de Hillsborough teria incorporado um “dever de franqueza” das autoridades e funcionários públicos em tais casos.

Em vez disso, uma Carta de Hillsborough faria com que os organismos públicos se comprometessem a dizer a verdade na sequência de tragédias públicas, qualquer que fosse o impacto na sua reputação.

O governo afirmou não ter conhecimento de quaisquer lacunas na legislação que possam encorajar ainda mais uma cultura de franqueza entre os organismos públicos e os seus representantes.

A nova carta surge seis anos depois de um relatório de James Jones, o antigo bispo de Liverpool, que foi encarregado de aprender as lições do desastre e do subsequente encobrimento.

O secretário da Justiça, Alex Chalk, pediu desculpas em nome do governo pela forma como as famílias foram tratadas ao longo das décadas e pelo atraso na resposta ao relatório.

“É claro que isso não proporciona um encerramento para as famílias”, disse Alex Chalk, acrescentando que “o luto é de fato uma jornada sem destino, mas hoje é um marco nessa jornada”.

O hooliganismo predominou no futebol inglês ao longo da década de 1980, e houve tentativas imediatas de atribuir a culpa aos adeptos do Liverpool e defender a operação policial.

Uma falsa narrativa que culpava os adeptos alcoolizados, desordeiros e sem bilhetes do Liverpool foi criada pela Polícia, que só foi revertida pela campanha incansável das famílias enlutadas.

As organizações que já assinaram a Carta de Hillsborough incluem o Conselho Nacional de Chefes de Polícia, o Colégio de Policiamento e o Crown Prosecution Service.

“As famílias de Hillsborough sofreram múltiplas injustiças: a perda de 97 vidas, a culpa dos torcedores e a imperdoável defesa institucional por parte dos órgãos públicos. Lamento profundamente pelo que eles passaram”, disse o primeiro-ministro Rishi Sunak.

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.