"Vai ser um jogo complicado, mas penso que, se o Nacional estiver no seu normal, vai conseguir vencer", declarou o adjunto de Manuel Machado, que devido a doença não vai poder orientar a sua equipa.

Relativamente à ausência do treinador principal e da influência que isso pode ter na equipa, José Augusto esclareceu que os jogadores estão preparados: "Todo o trabalho que é feito é logicamente pensado pelo chefe, nós só seguimos as directivas que ele nos dá".

O adjunto considera que não há qualquer responsabilidade acrescida e que a situação não é inédita. "Penso que os jogadores estão sempre motivados e vão dar tudo como se ele estivesse presente", declarou.

Sobre a postura que espera vir a ser apresentada pela equipa adversária, José Augusto disse esperar uma Naval 1.º de Maio com uma postura demasiado defensiva.

"Sabemos perfeitamente que a Naval é uma equipa boa, bem orientada e vimos o jogo da Luz, onde defensivamente estiveram muito bem e que nos vai dar muito trabalho", referiu.

José Augusto admitiu, por outro lado, que, perante determinados adversários, o Nacional prefere jogar fora de casa.

"Torna-se mais fácil jogar fora de casa porque sabemos que as equipas, no seu terreno, têm a tendência de se tornar mais ofensivas, pois quando jogam fora é a guerra do pontito", salientou.

O adjunto recusou ainda facilidades por eventuais problemas no plantel navalista e garantiu que a estatística pouco conta, apesar de indicar que a Naval nunca venceu na Choupana.

O Nacional ocupa a quarta posição da Liga portuguesa de futebol, com 17 pontos, enquanto a Naval segue na 11ª posição, com 10, os mesmos somados pelo Vitória de Guimarães e Paços de Ferreira.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.