Nuno Espírito Santo deixou o comando técnico do FC Porto no final da época passada, depois de não ter conseguido o título com o clube azul-e-branco. Os ´dragões` lutaram com o Benfica até a derradeira jornada, mas o título voltou a ficar na Luz, tal como aconteceu nas derradeiras quatro épocas.

Apesar da saída do técnico, Alex Telles garante que a relação com os jogadores era boa.

"O que posso dizer é que o Nuno fez um grande trabalho, deixou-me bem à vontade. Era uma grande pessoa, todos os jogadores gostavam muito dele. Mas sabemos que o futebol são os resultados e o clube não conseguiu o seu principal objetivo que era o título. Nós jogadores também ficámos bem tristes e abalados com essa situação, até por não conseguirmos conquistar o título nos últimos quatro anos. Estamos a representar o clube e não vem sendo algo positivo. Mas sabemos que futebol é o momento, que traz coisas novas e está sempre a mudar. Temos que estar preparados para os novos obstáculos e fazer o FC Porto voltar a ser campeão", sublinhou o jogador, em declarações ao site brasileiro ´Lance`.

Na sua primeira experiência em Portugal, Alex Telles garante que aprendeu muito com Nuno Espírito Santo.

"Foi a primeira vez que trabalhei com o Nuno Espírito Santo. No início, ele não me conhecia bem, mas foi descobrindo as minhas características ao longo da temporada. Em determinado período, ele foi-me conhecendo melhor, passou a colocar-me nas bolas paradas, dando-me mais liberdade no ataque. Passei a marcar muito melhor depois das minhas passagens pela Turquia e Itália, aprendi muitas coisas que me fizeram ter uma parte defensiva mais sólida. A partir daí, pude usar a minha maior qualidade que é o ataque, de deixar o avançado em boa posição para marcar. Com o tempo foi dando certo, as assistências foram saindo, com cruzamentos e em bolas paradas, o que foi me dando confiança", contou Alex Telles.

No ano passado houve um momento que marcou e muito Alex Telles, mas pela negativa: a expulsão frente a Juventus, na primeira-mão dos oitavos-de-final da ´Champions`.

"Para mim foi uma tristeza enorme. Era o jogo mais importante da minha vida e acabei deitando por água abaixo uma grande oportunidade. Talvez por estar muito concentrado ou por estar na adrenalina do jogo. Não sou um jogador de ser expulso tão facilmente. Tenho poucos cartões vermelhos na carreira. Mas foi um caso à parte, aprendi muito com os meus erros. Errei e todos sabem disso. Não tenho dúvidas que cresci muito com esse episódio, tive o apoio da minha família, dos meus companheiros, do técnico. Hoje ainda sou muito lembrado por isso, fui criticado em alguns momentos. [...]. Aprendi muito e tenho a certeza de que isso me fez crescer muito. A partir de hoje serei um jogador diferente nesse sentido e isso serviu de aprendizagem", frisou o lateral de 24 anos.

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.