Os sócios do Marítimo aprovaram hoje o Relatório de Gestão e Contas relativo à temporada 2022/2023, com um valor negativo de 154 mil euros, numa Assembleia-Geral (AG) Ordinária que teve 103 sócios presentes.

Entre os associados que reuniam as condições para votar, 89 votaram a favor, existiram três votos contra e ainda quatro abstenções, o que significou o relatório passar por larga maioria, numa AG, realizada no pavilhão do clube, com a duração de cerca de duas horas e meia.

Apesar dos números negativos, o presidente do Marítimo, Carlos André Gomes, referiu que as operações “do dia a dia estão devidamente acauteladas até ao final desta época", sendo que este resultado “diz respeito à Administração anterior", liderada por Rui Fontes, e que foi o presidente do Marítimo entre outubro de 2021 e novembro de 2023.

Na continuação desta ideia, Carlos André Gomes referiu que, se é certo que "o Marítimo não respira saúde", não há nenhum clube em Portugal que respire saúde, neste momento".

Porém, admite estar empenhado em "alavancar ainda mais a situação financeira" dos insulares, fruto de negociações que estão a decorrer.

Outro dos pontos discutidos, com uma aprovação de 93%, foi a doação da participação social detida por Gaspar Avelino Nóbrega, no valor de 4.900 euros, para o capital social da Marítimo da Madeira SGPS, Lda.

Dos 103 sócios aptos a votar na reunião magna, 96 votaram a favor desta medida que permite passar para o clube o património mobiliário de Santo António, onde está situado o complexo desportivo.

Nas palavras do presidente 'verde rubro', tratou-se de um processo "pacífico", sendo que "os sócios perceberam" a importância deste ato para a vida coletiva do emblema maritímista, numa operação que, segundo o próprio, terá um custo residual, nomeadamente o da "escritura de passagem da sociedade para o universo Marítimo".

Foi ainda aprovada a nomeação do associado Luís Miguel Rosa como representante dos sócios para assistir às reuniões da Marítimo da Madeira Futebol SAD, o que, nas palavras de Carlos André Gomes, permite ao corpo associativo ter um "olheiro" nas reuniões da SAD, porém, "sem direito de voto ou veto" nas votações da Administração da SAD.

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.