O treinador do Beira-Mar, Costinha, quer vencer o Marítimo, em jogo da 28.ª jornada da I Liga portuguesa de futebol, e assegurou que, apesar do último lugar, «motivar os jogadores não é tarefa difícil».

«Os jogadores querem dar a volta à situação e embora estejam há muito tempo na cauda da tabela, a margem ainda é considerável, por isso, este domingo iremos tentar dar uma resposta boa», afirmou, em conferência de imprensa.

Costinha contou «seis ou sete jogos em que o Beira-Mar esteve com um marcador favorável e se deixou surpreender» e garantiu que não pode deixar que a situação se repita este domingo frente à equipa insular.

«Depois de chegar ao comando técnico da equipa, perdemos dois jogos por manifesta aselhice, o jogo com o Setúbal e com o Olhanense, mas nos outros fica-nos um sabor amargo», garantiu o técnico.

A derrota do Moreirense esta jornada pode servir de tónico, mas o treinador garantiu que a equipa tem de estar focada nos seus próprios jogos, pois «não adianta o Moreirense perder, se o Beira-Mar não der uma resposta cabal».

«Este Marítimo é uma das equipas que mais gosto, sabe jogar, joga muito bem em transição, sabe ter posse, está muito bem estruturada e tem jogadores com muita qualidade», confessou Costinha, que espera “uma tarefa difícil”.

Costinha revelou que disse aos jogadores que «é melhor jogar com o Marítimo, o Guimarães, o FC Porto ou o SC Braga, do que jogar, com o devido respeito, com o Freamunde, o Tondela», pois é sinal que a equipa está na I Liga e se mantém na elite do futebol português.

O técnico frisou que «o Marítimo vem à procura de pontuar e de ganhar, porque o Pedro [Martins] não sabe jogar de outra forma, mas o Beira-Mar precisa urgentemente desses pontos».

Costinha comentou ainda a situação dos ordenados em atraso do Olhanense e as suspeitas de corrupção desportiva no Moreirense: "«ão pensem os adeptos que o Beira-Mar vai ficar à espera que tal situação se venha a desenrolar num futuro próximo».

«O Olhanense está a fazer o seu papel: se só receberam cinco jogadores, isso é algo que o presidente poderá explicar. Em relação ao Moreirense, eu já joguei em Espanha, em Itália e em França, e clubes com essa postura foram logo punidos», disse.

Costinha espera que o presidente da Federação Portuguesa de Futebol, Fernando Gomes, tome alguma medida, “pela transparência do futebol português”, caso se confirmem as suspeitas.

«É uma situação grave que tira credibilidade à nossa Liga, que tira credibilidade aos jogadores, aos técnicos e que afasta o público, por isso, é importante que estas situações não passem impunes e sejam punidas», concluiu.

O Beira-Mar, último classificado com 20 pontos, defronta o Marítimo, décimo com 34, numa partida agendada para as 16h00 de domingo no Estádio Municipal de Aveiro e que vai contar com a arbitragem de Castro Xistra, de Castelo Branco.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.