O futebolista João Carlos Teixeira afirmou estar disposto a negociar a redução do salário auferido no Vitória de Guimarães, depois de a pandemia da covid-19 ter ditado a interrupção da I Liga portuguesa.

Apesar de nenhum dos 18 clubes do escalão ter anunciado, para já, reduções nos salários dos jogadores, o médio ofensivo, de 27 anos, realçou que o surto do novo coronavírus está a atingir o futebol "pela negativa" e mostrou-se disponível para "ajudar" o Vitória, se a administração presidida por Miguel Pinto Lisboa entender a redução salarial como medida necessária.

"Em relação a assuntos monetários, para já nada nos foi ainda informado. Mas falo por mim e, acredito, pelos meus companheiros: vamos tentar ajudar o clube. Se isso tiver de acontecer, não vamos ser o problema. Vamos tentar ser a solução. Neste momento, o que precisamos é de harmonia e de entreajuda entre as pessoas para que as coisas não sejam piores do que já vão ser", disse aos jornalistas, numa videoconferência promovida pelos minhotos.

João Carlos Teixeira evocou esses mesmos problemas financeiros com que os clubes se podem deparar para defender que "era importante" o campeonato, com 10 jornadas ainda por realizar, poder terminar, "mesmo com jogos à porta fechada".

Para a conclusão da prova ser possível, o médio formado no Sporting vincou que as equipas deveriam regressar à competição até junho ou julho, com os plantéis a realizarem uma "mini pré-época" de quatro semanas para ficarem "bem fisicamente" e a Liga Portuguesa de Futebol Profissional a decidir se haveria jogos ao fim de semana e à semana ou apenas nos fins de semana.

Com oito golos em 26 jogos oficiais, dois deles no triunfo sobre o Paços de Ferreira (2-1), que antecedeu a paragem, em 08 de março, João Carlos Teixeira reconheceu que a época 2019/20 estava a ser “a melhor" da carreira, tendo explicado a subida de rendimento face a anos anteriores com o sistema tático montado pelo treinador Ivo Vieira.

"Adapto-me bem ao estilo de jogo, pela liberdade que me dá em campo. Permite-me estar mais perto da área, fazer mais golos, para estar em mais zonas e espaços do campo. Estava a aproveitar da melhor forma e as coisas estavam a correr bem", disse o jogador da equipa que ocupa o sexto lugar, com 37 pontos.

Questionado sobre a continuidade do técnico, cujo contrato com os vimaranenses termina em 30 de junho de 2020, o médio, ex-jogador do FC Porto e do Sporting de Braga, realçou que a "estrutura" vitoriana é que deve esclarecer o futuro de Ivo Vieira.

O jogador confessou ainda que gostaria de ver o Liverpool, clube da I Liga inglesa ao qual esteve vinculado entre 2012 e 2016 e onde ainda guarda pessoas com quem "mantém contacto", como o avançado Roberto Firmino, sagrar-se campeão, se o campeonato for retomado - tem 25 pontos de vantagem para o segundo, Manchester City, a nove jornadas do fim.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infetou mais de 727 mil pessoas em todo o mundo, das quais morreram perto de 35 mil. Dos casos de infeção, pelo menos 142.300 são considerados curados.

Depois de surgir na China, em dezembro, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar uma situação de pandemia.

Em Portugal, que está em estado de emergência desde as 00:00 de 19 de março e até às 23:59 de 02 de abril, registaram-se 140 mortes e 6.408 casos de infeções confirmadas, segundo o balanço feito hoje pela Direção-Geral da Saúde.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.