Declarações dos treinadores da União de Leiria, José Dominguez, e do Nacional, Pedro Caixinha, após o jogo da 30.ª jornada da Liga portuguesa de futebol, disputado hoje no Estádio Municipal da Marinha Grande, que os madeirenses ganharam por 3-2:

José Dominguez (treinador da União de Leiria)

«Pelas oportunidades que criámos no jogo todo, pelo cenário que temos vivido, jogando com a equipa desfalcada, merecíamos hoje melhor sorte. Tivemos grandes oportunidades na segunda parte.

Os jogadores conseguiram dar a volta ao resultado e, numa altura em que estávamos por cima, criámos três ou quatro chances para fazer golo. Não tivemos a sorte de o conseguir, mas fico com grande orgulho, pelo caracter e talento enorme dos meus jogadores, alguns deles sub-18. Estou muito orgulhoso.

Temos muita qualidade. Há aqui sete ou oito atletas que podiam ser o futuro da equipa. Fico um pouco triste por tudo isto que se está a passar. Com apoio da SAD conseguiríamos ter feito um pouco melhor.

Tudo isto que se tem passado é muito difícil. Estamos aqui um pouco à deriva, sem ninguém da parte da administração da SAD para nos dar alguma informação.

Chegar ao fim é um alívio, em certo sentido. Ficámos à deriva. Os jogadores perguntam como vai ser a seguir e não temos resposta.

Tudo isto foi uma grande aprendizagem para mim. O meu contrato acaba no dia 15, vamos esperar pela informação. Temos feito perguntas sem obter qualquer resposta. Vamos esperar... Se a equipa vai continuar a trabalhar? Não tenho a mínima ideia.

Sporting B? Neste momento não é uma possibilidade. Tendo eu uma relação próxima com o Sá [Pinto] e tendo vestido as cores do Sporting, seria um orgulho para mim. Mas estamos focados no campeonato e não tivemos conversas sobre esse sentido. Mas aceitaria um convite desses com todo o orgulho. E há aqui jovens no Leiria com qualidade para chegar ao Sporting.»

Pedro Caixinha (treinador do Nacional)

«Ganhámos e vencemos seis dos últimos sete jogos. O que fica para a história é este resultado. Hoje, uma palavra depreciativa minha não encontrava fundamento, tendo em conta o muito de bom que foi feito nesta segunda volta.

Hoje o grande objetivo passava por ganhar. Vamos de férias mais descansados. Temos cerca de 80 por cento do planeamento da próxima época feito. É momento de descansar, refletir e fazer avaliações.

Voltar a Leiria não teve um sentimento especial. O único sentimento foi de tristeza. Há uma palavra que guardo que é gratidão. Foi neste clube que me abriram as portas para ser treinador principal. Não o esqueço. Agora, não posso generalizar o que foram os momentos que aqui passei. Foram mais os bons momentos.

Quero expressar a minha gratidão e apreço ao presidente João Bartolomeu por tomar a decisão de me despedir à terceira jornada, se ele não o tem feito, hoje não estaria hoje aqui. Espero do fundo do coração que a vida da União de Leiria continue.»

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.