O FC Porto venceu, este domingo, a Académica de Coimbra por 3-1 em jogo da 26.ª jornada do campeonato português, que se disputou no Estádio do Dragão. Jackson (2) e Ghilas marcaram os golos portistas.
Para este desafio, e face ao jogo anterior, Luís Castro fez muitas alterações na equipa titular portista, talvez já a pensar na deslocação a Sevilha, agendado para a próxima quinta-feira, dia 10. Quintero, Ghilas, Herrera, Abdoulaye e Ricardo fizeram parte da equipa titular desta tarde, relegando para o banco de suplentes jogadores como Danilo, Quaresma e Carlos Eduardo.
Numa entrada forte por parte das duas equipas, o FC Porto abriu o marcador logo aos 4 minutos de jogo. Após cruzamento de Ghilas para a área, o colombiano Jackson Martínez cabeceou fácil para o primeiro golo no Dragão.
Aos 12 minutos de jogo, numa altura em que o FC Porto saía em contra-ataque, Fernando Alexandre chocou violentamente com Manuel Mota, deixando o árbitro da partida no chão e muito queixoso, pedindo assistência. As equipas médicas dos dois clubes entraram prontamente no relvado para assistir o juiz da AF de Braga, tendo este ficado recuperado minutos depois e prosseguido o encontro.
A Académica ia provando que não tinha medo de enfrentar o atual tricampeão nacional, optando por uma postura muito ofensiva, o que oferecia ao FC Porto muito espaço para jogar, mas também contribuía para um futebol muito fluído.
Aos 24 minutos, Ghilas fez um grande trabalho na área da Académica e apontou o segundo golo portista, num resultado algo penalizador para o que a Académica tinha feito até então, tendo enviado duas bolas ao poste da baliza de Fabiano até esse momento.
O jogo continuava a um bom ritmo e, aos 39', Quintero sofreu falta na grande área por parte de Makelele e foi assinalado grande penalidade. Na conversão, Jackson marcou e bisou no encontro, totalizando assim 18 golos nesta edição da I Liga.
À entrada para a etapa complementar, e devido ao ocorrido no primeiro tempo, Ricardo Coimbra e Manuel Mota trocaram de posições, sendo Coimbra o juiz principal e Mota o quarto árbitro.
Aos 54 minutos de jogo, a Académica voltou a reagir e os Estudantes conseguiram reduzir. Marcos Paulo recebeu e rematou bem para o lado direito da baliza de Fabiano, que não teve hipóteses. Muitas culpas para a defesa portista.
Em seis minutos, Luís Castro esgotou as substituições, fazendo entrar Danilo, Quaresma e Josué para os lugares de Alex Sandro, Varela e Ghilas respetivamente.
A formação visitante, orientada por Sérgio Conceição, esteve sempre muito perto de fazer o segundo golo, enquanto o FC Porto procurava gerir a vantagem e poupar esforços para o próximo encontro, decisivo na Liga Europa. Com as mudanças feitas na equipa, o FC Porto deixou de ser tão consistente e muitos lances foram falhados, algo que não agradou os cerca de 30 mil adeptos presentes.
Caso o Benfica pontue amanhã, na receção ao Rio Ave, no encerramento da ronda, o FC Porto fica matematicamente impossibilitado de revalidar o título. Com este triunfo, os Dragões mantiveram a distância de seis pontos para o Estoril-Praia, quarto classificado.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.