Em entrevista ao jornal "Viva Cidade", de Gondomar, Fábio Silva fez várias revelações, entre elas o treinador que mais o marcou ao longo do seu percurso, a razão pela qual deixou o Benfica e a emoção de marcar o primeiro golo no Estádio do Dragão.

A pressão

"A pressão é como uma vitamina que serve para ficar mais motivado, fazer as coisas bem e ficar tranquilo. Para mim, a pressão não me diz nada, porque sou uma pessoa que gosta de jogar de cabeça fria".

Primeiro golo no Dragão

"Esse momento marcou-me. Quando o estádio estava a gritar pelo meu nome, foi o momento que ficou mais na minha cabeça, o golo acabou por ficar em segundo plano. Porque era algo que desde muito novo brincava em casa com a minha irmã, muitas vezes eu gritava "Fábio!" e ela respondia "Silva!". Então, tornou-se como a realização de um sonho de infância".

Treinador que mais o marcou

"Quando estava no Benfica [2015-17], tive o míster Luís Nascimento [atual adjunto de Carvalhal no Rio Ave], que, em termos de aprendizagem, foi o que mais me fez crescer e adquirir muitas das capacidades que tenho hoje, sempre apostou em mim. Falo com ele quase todos os dias".

Saída do Benfica

"Em concordância com a minha família, achei que era o melhor para mim e para a minha carreira voltar ao Porto, mas, no Benfica, as pessoas sempre foram impecáveis comigo".

Jogador com quem gostava de partilhar balneário

"Gostaria de um dia jogar lado a lado com o Cristiano Ronaldo, que é o meu ídolo, também gostava de ter a experiência de jogar pelo Real Madrid."

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.