O treinador do Farense disse hoje que a sua equipa vai ter de provar, na deslocação de sábado ao terreno do Nacional, que pode fazer "mais e melhor" para fugir ao último lugar da I Liga de futebol.

"Quando vim para cá, disse, e reafirmo hoje com mais certeza, que nós temos equipa para mais e melhor. Mesmo sabendo que vamos ter um ciclo dificílimo, não nos vamos vergar, não vamos desistir, vamos trabalhar mais e melhor e com a confiança que podemos, em qualquer campo, lutar sempre pelos três pontos", afirmou Jorge Costa, na antevisão da partida da 19.ª jornada da competição, o primeiro de quatro jogos fora nos próximos cinco embates do conjunto de Faro.

O técnico, que registou um empate e uma derrota desde que assumiu o banco dos algarvios, está consciente de que o Farense tem de pontuar mais vezes na condição de visitante - soma apenas um ponto fora -, até porque, dos 17 jogos que ainda tem pela frente, 10 serão longe do seu recinto.

"Temos de fazer ver aos jogadores que temos de jogar igual fora e em casa. Na situação atual, em que jogar fora ou em casa não faz grande diferença, porque infelizmente não há público, não há nada que nos possa fazer perder a confiança", sublinhou.

Jorge Costa prometeu "trabalho e dedicação", sustentando que a sua equipa "tem potencial para conquistar muitos pontos fora".

"É um jogo em que vamos ter de sofrer, em que vamos ter de nos superar. Com todo o respeito, como tenho por todas as outras equipas, queremos voltar da Madeira com os três pontos", frisou.

O treinador do Farense caracterizou o Nacional como "uma belíssima equipa, muito bem orientada, que gosta de ter bola, que tem os processos já muito bem definidos e que já vem, de há algum tempo, a trabalhar com este treinador [Luís Freire]".

Sobre a conferência de imprensa realizada pelo presidente da SAD e do clube, João Rodrigues, que após a derrota caseira com o Moreirense (1-2) exteriorizou o "sentimento de revolta" do grupo relativo às queixas sobre várias decisões de arbitragem, o técnico considerou que foi "a partilha de um sentimento generalizado".

"É evidente que têm acontecido coisas estranhas, decisões no mínimo discutíveis, mas também é evidente que há coisas que conseguimos controlar e esse tem de ser o meu foco. Há fatores externos com um peso grande no resultado final que não podemos controlar, podemos denunciar - e o presidente fê-lo -, mas não nos vamos agarrar só a isso", acrescentou.

O Nacional, nono classificado com 21 pontos, recebe o Farense, 18.º e último com 13 (menos um jogo), no sábado, às 15.30, no Estádio da Madeira, em encontro que será arbitrado pelo portuense Rui Costa.

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.