O golo do Leixões nasceu nos pés do jogador arsenalista Moisés, completamente só na defesa, atrasou a bola com alguma força para Eduardo que, ao tentar dominá-la, deixou-a passar por debaixo do pé e acaba por entrar na baliza deserta. O guarda-redes da Selecção Nacional bem tentou correr atrás dela para desfazer o deslize mas sem sucesso.

O lance de maior perigo do Braga apareceu nos pés de João Pereira, ao minuto 30, depois de uma tabelinha com Andrés Madrid e o defesa rematou ao lado quando estava a poucos metros, da baliza de Diego.

O Estádio do Mar, em Matosinhos, está debaixo de muita chuva e vento a dificultar a circulação de bola e a provocar um embate lento mas com muita disputa no meio campo.

Além do auto-golo, que coloca a equipa da casa em vantagem, hoje comandada pelo técnico-adjunto António Pinto, em substituição do castigado José Mota, a primeira parte fica também marcada pelo número excessivo de cartões amarelos. Cinco ao fim de 45 minutos.

Eduardo vai para o balneário com a “cabeça em água” depois de um ”frango molhado”.

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.