"É uma vitória robusta. Não se o Benfica marcará outra vez oito golos num jogo, mas esta vitória só vale três pontos. As vitórias moralizam, mas os 8-1 não querem dizer que este resultado possa mexer connosco. Vamos continuar a ser a mesma equipa." As palavras de Jorge Jesus demonstram a importância que o técnico do Benfica dá à necessidade de manter os pés bem assentes na terra. Com efeito, Jesus sublinhou que a equipa tem de "trabalhar todos os dias". "O passado não garante o futuro de uma equipa", frisou.

Numa análise mais detalhada à partida, o treinador benfiquista destacou a boa entrada da sua formação. "Entrámos com uma velocidade enorme em termos de movimentação ofensiva, baralhámos por completo as marcações do adversário e fomos fortes na bola parada", observou Jorge Jesus, justificando de seguida o elevado ritmo ao longo dos 90 minutos: "A partir do 5-0 tentámos que a equipa não parasse. Procurámos a maior goleada da Liga - foram oito golos. Os jogadores do Benfica estão de parabéns."

A euforia dos 40915 espectadores no desafio desta noite mereceu ainda algumas palavras do treinador encarnado. "A massa associativa saiu daqui a lembrar os tempos antigos", confessou.

Jorge Jesus revelou ainda que além do título de campeão, a sua equipa persegue outros objectivos. "Eu e os jogadores temos uma meta, não queremos sofrer muitos golos. E ficou-me atravessado aquele golo do V. Setúbal. Custou-me um pouco sofrer um golo quando o jogo estava perfeitamente controlado."

Sobre a saída de Yebda para o Portsmouth no dia final do mercado, o técnico disse que o clube da Luz não o quis prejudicar. "Estava a crescer mas é um jogador que tinha a ambição de sair."

Questionado sobre um sabor especial pela vitória diante de Carlos Azenha, com quem já trabalhou no passado, Jorge Jesus não jogou à defesa: "Éramos amigos e chateámo-nos, mas isso não invalida que reconheça o seu valor. Estava desempregado quando o fui buscar, e fui porque lhe reconhecia valor. Desejo-lhe sorte." Já Carlos Azenha confessou que não cumprimentou Jesus, mas retribuiu os elogios: "Não vim jogar contra o Jorge Jesus. O Benfica tem um grande treinador, a quem desejo todas as felicidades.

Carlos Azenha relativizou ainda o peso dos números sofridos pelo V. Setúbal. "Só perdemos três pontos. Continuo a acreditar no meu trabalho e no trabalho desta equipa. E será com estes jogadores que o Vitória vai fazer um campeonato tranquilo."

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.