Jorge Simão lamentou que o Boavista não tenha conseguido ir para o descanso sem sofrer golos. Na análise à derrota da sua equipa ante o Sporting por 3-1, o técnico axadrezado justificou também a entrada tardia de Rui Pedro no jogo.

Golo à beira do intervalo: "Os golos mudam a tendência do jogo. A primeira parte foi equilibrada, controlada, em que o Sporting enquadra unicamente um remate à nossa baliza. Sofrer o golo, já é mau. Sofrê-lo no momento em que estamos já quase a caminho do balneário nunca é um momento fácil. Entrámos para a segunda parte serenos. Fizemos um golo que nos iria relançar para a procura do segundo e o momento-chave é o terceiro golo do Sporting, que deita por terra as possibilidades de entrarmos no jogo. Continuámos a lutar e aqui fica uma palavra de elogio para os jogadores: foram bravos até ao final".

Sofrer golos nas bolas paradas: "As bolas paradas fazem a diferença. Foram dois golos deles de bola parada, em que o Sporting é forte porque tem muitos jogadores acima de 1,90 metros e não é fácil pará-los".

Pouca utilização de Rui Pedro: "Está relacionado com o que procuro para a equipa neste momento. Rui Pedro é um jovem, cheio de potencial, talento, está a fazer o seu percurso e contamos com ele. É um elemento que nos pode e vai ajudar".

O Sporting venceu o Boavista por 3-1, em jogo da 14.ª jornada da I Liga.

Veja o resumo do jogo

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.