O defesa Moisés sentiu a pancada por trás, de João Tomás, caiu e o avançado do Rio Ave abriu o marcador, no lance que, acredita, condicionou toda a partida.

“Não preciso de ver a jogada na televisão: foi falta! Senti a pancada por trás, pois não havia forma de ele me tirar a bola. E a posição do juiz era muito clara: estava só a uns 10 metros, não tinha como não assinalar a infracção”, frisou.

Sabendo que tinham todas as condições de vencer a partida, o Sporting de Braga ainda correu atrás do prejuízo, mas não foi além do empate e da primeira cedência de pontos, ao fim de oito jornadas.

“ Isso condicionou muito a partida, é claro! Sofremos aí o golo, logo no início da partida, o que mudou toda a estratégia que tínhamos preparado. Ainda assim, a equipa mostrou porque está em primeiro e foi atrás do prejuízo, apesar de termos encontrado um bom adversário. Mas foi uma pena, porque sabíamos que tínhamos condições de vencer”, lamentou.

Sobre a arbitragem Moisés não fez comentários ao trabalho de Lucílio Baptista, apenas reforçou que “a decisão prejudicou a equipa do Sporting de Braga, atrapalhando a um pouco a tarefa”.

Na próxima jornada, os bracarenses recebem o Benfica que, caso vença hoje o Nacional na Luz, chegará à cidade minhota na liderança, em igualdade pontual com o Braga, mas com mais golos marcados.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.