O presidente do FC Porto qualificou hoje como “medida oportunista” o regresso do público aos estádios na última jornada da I Liga de futebol, motivada pela transferência da final da ‘Champions’ para o Porto, deixando novas críticas ao Governo.

"A UEFA ao exigir público no estádio, com toda a razão, porque não há nenhum motivo para que isso não acontecesse, levou a que agora o Governo autorizasse na última jornada a que houvesse público nos estádios, para apanhar a boleia e não ficar cada vez mais desacreditado. É uma medida oportunista, que eu reprovo, porque vai contra a verdade desportiva", referiu Pinto da Costa em declarações à FC Porto Tv.

Apesar de ter ficado satisfeito com a decisão, o presidente ‘azul e branco’ defendeu que o ‘timming' da mesma não é o mais correto, acusando o Governo de apenas o ter feito para "não ficar cada vez mais desacreditado".

"Pôr, na última jornada, clubes a jogar em casa ou fora, é pô-los em desigualdade. Há jogos importantes, decisivos, e há clubes que vão poder contar com o apoio do público e há clubes que não vão poder ter esse mesmo apoio. E se serve para limpar esta atitude estúpida de permitir que em todos os espetáculos em recintos fechados haja milhares de pessoa e no desporto não, se isso vai minorar essa ideia vergonhosa, é realmente lamentável que não defendam a verdade desportiva e que não tenham feito pelo menos para as duas últimas jornadas para que todos os clubes tivessem oportunidade de ter o apoio do seu público", concluiu Pinto da Costa.

A Liga de Clubes anunciou, na quarta-feira, que a derradeira jornada pode ter adeptos nas bancadas até 10% da lotação do estádio, desde que sejam afetos ao clube visitado e apresentem um resultado negativo de um teste rápido à covid-19.

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.