A Polícia Judiciária está a fazer buscas na SAD do Benfica e do Santa Clara, numa operação conjunta com o Ministério Público (MP) e a Autoridade Tributária (AT).

De acordo com a revista 'Sábado', os agentes estão a investigar negócios relacionados com três jogadores líbios, um deles o extremo esquerdo Hamdou Elhouni, transferido para o clube encarnado em 2016, com passagem posterior pelo Desportivo das Aves. Os outros são o médio defensivo Mohamed Al-Gadi e o médio ofensivo Muaid Salem Ali, mais conhecido como Muaid Ellafi, todos com passagem pelo Santa Clara.

O valor da transferência de Hamdou Elhouni para o Benfica não foi anunciado publicamente. Nesse mesmo ano de 2016, o extremo foi emprestado ao Desportivo de Chaves por duas épocas. Depois foi cedido, a custo zero, pelo Benfica B ao Desportivo das Aves, um dos clubes cujas relações com o Benfica está sob investigação.

De recordar que o Desportivo das Aves e o Benfica são alguns dos clubes investigados no processo 'Mala Ciao'.

Além das SADs de Benfica e Santa Clara, a revista 'Sábado' adianta que o processo visa empresas e residências particulares, inclusive do presidente do clube dos insulares, o advogado Rui Cordeiro, do administrador e diretor desportivo Diogo Boa Alma e do empresário brasileiro Khaled Ali Mesquita Saleh, que representa o principal acionista particular da SAD do Santa Clara.

Nesta investigação visa crimes de fraude fiscal qualificada, branqueamento de capitais, falsificação de documento, participação económica em negócio e recebimento indevido de vantagem.

De acordo com a TVI, Luís Filipe Vieira é um dos principais visados na investigação, liderada pelo juiz Carlos Alexandre. O presidente do Benfica, reeleito em outubro para mais um mandato, é um dos arguidos nos processos 'Operação Lex' e 'Operação Saco Azul'.

Paulo Gonçalves, ex-assessor jurídico do Benfica e agora empresário de futebol, é outro dos visados nesta investigação que também investiga crimes como corrupção desportiva. De recordar que Paulo Gonçalves deixou o Benfica quando foi acusado no processo 'E-Toupeira', embora continue a fazer negócios com o Benfica.

Diz ainda a estação de Queluz que a investigação visa outros empresários que tem vindo a fazer negócios com o Benfica, alguns com ligação direta a Luís Filipe Vieira. São suspeitos de terem sido utilitários para diferentes esquemas, sobretudo de corrupção desportiva, nomeadamente através de subornos a atletas de clubes adversários, entre eles do Marítimo e do Rio Ave, para que prejudicassem as suas equipas em campo nos jogos frente ao Benfica.

Sobre o processo 'Mala Ciao', que desencadeado em 25 de junho de 2018, que visa igualmente o Benfica, os investigadores continuam na procura de elementos que lhes permitam comprovar a existência de contratos paralelos, assim como suspeita de fraude com apostas desportivas. Também é investigado a compra de passes de jogadores como forma de contrapartida de corrupção desportiva e pagamento de incentivos a equipas adversárias para vencer o FC Porto. A investigação deste caso atingiu ainda Desportivo das Aves, Vitória de Setúbal, Paços de Ferreira e Marítimo. e pagamentos a jogadores para vencerem jogos ao FC Porto e ao Sporting.

Ministério Público esclarece buscas ao Benfica e ao Santa Clara

O Ministério Público emitiu um comunicado, ao final da manhã desta segunda-feira, onde esclarece as buscas às SAD´s do Benfica e do Santa Clara. Na investigação que está a ser coordenada pelo Departamento Central de Investigação e Ação Penal de Lisboa, foram realizadas 29 buscas, seis delas a clubes de futebol

Diz o MP que foram realizadas várias buscas: oito buscas domiciliárias, uma a uma fundação, seis a instalações de três sociedades desportivas, nove a outro tipo de sociedades, três a duas clubes desportivos e duas a dois escritórios de advogados.

As operações, que decorrem em vários locais do país, contam com a participação de magistrados do Ministério Público e dos tribunais de Instrução Criminal, inclusive, o Central e elementos da Polícia Judiciária e da Autoridade Tributária.

"Nos inquéritos investigam-se factos suscetíveis de integrarem crimes de participação económica em negócio ou recebimento indevido de vantagem, corrupção ativa e passiva no fenómeno desportivo, fraude fiscal qualificada e branqueamento. Estão em causa negócios de diversa natureza, todos relacionados com o futebol profissional e relativos, nomeadamente, a contratos de parceria de cooperação financeiro-desportiva e respetivos aditamentos bem como a acordos de alteração de contrato de parceria", esclarece o Ministério Público.

"Investigam-se ainda a aquisição dos direitos desportivos e económicos dos jogadores por parte de clubes nacionais de futebol, empréstimos concedidos a um destes clubes e a uma sociedade desportiva por um cidadão de Singapura com interesses em sociedades sediadas nas Ilhas Virgens Britânicas e a utilização das contas do mesmo clube e de outro, para a circulação de dinheiro",  continua o comunicado.

As investigações incidem igualmente sobre o envolvimento de outros tipos de sociedades, algumas ligadas ao setor imobiliário. Em causa o pagamento em dinheiro de prémios de jogo, a satisfação de dívidas pessoais de dirigentes, a utilização por estes de valores dos clubes e a omissão declarativa de operações fiscalmente relevantes.

Benfica e Santa Clara confirmam buscas nas instalações

Benfica e Santa Clara confirmaram hoje terem sido alvo de buscas, no âmbito de uma investigação relacionada com negócios no futebol, já detalhada pela Procuradoria-Geral da República (PGR).

Contactadas pela Lusa, fontes oficiais dos dois clubes confirmaram a realização de buscas, tendo ambos os emblemas da I Liga remetido esclarecimentos para mais tarde, através de comunicados.

Durante a manhã de hoje, a PGR confirmou a realização de 29 buscas: "oito domiciliárias; uma, a uma fundação; seis, a instalações de três sociedades desportivas; nove, a outros tipos de sociedade; três, a dois clubes desportivos; e duas, a dois escritórios de advogados".

As buscas, de acordo com o mesmo documento, "decorrem em vários locais do país e contam com a participação de magistrados do Ministério Público e dos tribunais de Instrução Criminal, inclusive, o Central e elementos da Polícia Judiciária e da Autoridade Tributária".

"Nos inquéritos investigam-se factos suscetíveis de integrarem crimes de participação económica em negócio ou recebimento indevido de vantagem, corrupção ativa e passiva no fenómeno desportivo, fraude fiscal qualificada e branqueamento", refere a PGR, acrescentando que "estão em causa negócios de diversa natureza, todos relacionados com o futebol profissional".

De acordo com o mesmo comunicado, "investigam-se ainda a aquisição dos direitos desportivos e económicos dos jogadores por parte de clubes nacionais de futebol, empréstimos concedidos a um destes clubes e a uma sociedade desportiva por um cidadão de Singapura com interesses em sociedades sediadas nas Ilhas Virgens Britânicas e a utilização das contas do mesmo clube e de outro, para a circulação de dinheiro".

Além das SAD, "as investigações incidem igualmente sobre o envolvimento de outros tipos de sociedades (algumas ligadas ao setor imobiliário)", devido ao "pagamento em dinheiro de prémios de jogo, a satisfação de dívidas pessoais de dirigentes, a utilização por estes de valores dos clubes e a omissão declarativa de operações fiscalmente relevantes".

A revista Sábado já tinha noticiado que duas das SAD investigadas seriam as de Benfica e Santa Clara, estando em causa dois processos, um sobre a transferência de jogadores líbios e outro relacionado com o caso Mala Ciao.

Sporting também é alvo de buscas da Polícia Judiciária. 'Leões' explicam o que está em causa

O Sporting também está a ser alvo de buscas pela Polícia Judiciária. No entanto, as buscas não tem nada a ver com os processos relativos ao Benfica e Santa Clara e o caso Mala Ciao. No período investigado pela PJ, de acordo com a SAD do Sporting, o clube foi liderado por Godinho Lopes (até 2013) e por Bruno de Carvalho.

Este processo do Sporting investiga negócios entre 2011 e 2014 e tem a ver com a entrada da Holdimo no capital social da SAD. A empresa de Álvaro Sobrinho detém 30 por cento do Capital social da Sporting SAD.

O Sporting também já esclareceu as buscas às suas instalações por parte das autoridades judiciais

"A Sporting Clube de Portugal – Futebol, SAD confirma a realização de buscas por parte da Polícia Judiciária às suas instalações. Em causa um alegado crime de branqueamento de capitais referente ao período de 2011 a 2014. A Sporting Clube de Portugal – Futebol, SAD disponibiliza-se para colaborar com as autoridades para o esclarecimento de todo este processo.

Congratulamo-nos ainda com o esforço do Ministério Público e das autoridades competentes em prol da verdade desportiva e da transparência, contribuindo para a dignificação do futebol português, neste e noutros processos", escreve os 'leões', em comunicado.

 Santa Clara em colaboração “ativa” com a PJ para “esclarecimento cabal” da investigação

O Santa Clara já emitiu um comunicado onde sublinha que irá colaborar de forma “ativa” com a Polícia Judiciária para o “esclarecimento cabal” da investigação relacionada com negócios no futebol, que levou a buscas nas instalações dos açorianos.

“Desde o primeiro momento, disponibilizámo-nos a fornecer toda a informação requerida, colaborando ativa e serenamente com as demais entidades para o esclarecimento cabal de toda esta situação”, reagiu o clube açoriano em comunicado de imprensa.

O Santa Clara confirmou que “neste momento” estão a decorrer “operações de recolha de informação por elementos da equipa de investigação da Polícia Judiciária nas instalações” da SAD do clube.

*Artigo atualizado às 12h35

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.