O presidente da Federação Cabo-verdiana de Futebol (FCF), Mário Semedo, questionou a opção do futebolista Jovane Cabral em representar a seleção de Portugal em detrimento de Cabo Verde.

“Porquê a seleção portuguesa e não a de Cabo Verde? Se ele é cabo-verdiano, saiu daqui como jogador da seleção, porque tem que jogar por Portugal e não por Cabo Verde”, questionou Mário Semedo em entrevista à Antena 1.

Mário Semedo lembrou que Jovane Cabral saiu de Cabo Verde com 16 anos e que já dava indicações de que viria a ser um grande jogador.

“É um jogador que tem merecido muita atenção e carinho dos cabo-verdianos residentes, que acompanham todos os jogadores nacionais que estão lá fora, e Jovane não foge à regra”, notou.

No entanto, o presidente da FCF desejou “sucessos” ao jogador natural de Santa Catarina de Santiago e que consiga fazer mais golos, “como aquele que fez na última jornada do campeonato de Portugal contra o Paços de Ferreira”.

Em março de 2018, o futebolista não compareceu no estágio da seleção nacional cabo-verdiana em jogo de apuramento para o CAN 2019, depois de ser convocado pelo então selecionador nacional Rui Águas.

Na última temporada, o jogador do Sporting fez 31 jogos e marcou quatro golos, e na época que está ainda por terminar já leva 13 jogos com dois golos apontados.

O jovem, natural de Santa Catarina de Santiago, que há seis anos representava o Desportivo de Nhagar (Assomada), foi contratado na época 2013/2014 para representar os juniores do clube português.

Jovane Cabral estreou-se na seleção de Cabo Verde com 18 anos, num jogo amigável com o Luxemburgo, em março de 2017.

A primeira convocatória para um jogo oficial foi para as eliminatórias do CAN 2017, com a Líbia, realizado no Estádio Nacional, mas não foi utilizado.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.