Rui Quinta afirmou que o FC Porto não tem sido eficaz a defender os lances de bola parada. O antigo adjunto de Vítor Pereira nos "dragões" disse que facto de o Sporting ter marcado primeiro influenciou o desenrolar do encontro.

"Foi um jogo competitivo, não muito bem jogado, com duas equipas de estilos diferentes a lutar pelos mesmos objetivos. O facto de o Sporting ter feito um golo num lance de bola parada introduziu um dado novo e que influenciou os acontecimentos, permitindo ao Sporting gerir a vantagem e obrigando o FC Porto a andar atrás do prejuízo, o que fez com que o Sporting desenvolvesse contra ataques perigosos que lhe poderiam ter feito aumentar a vantagem mais cedo", começou por analisar o técnico, em declarações ao jornal OJogo.

"Dentro de um quadro que implica respeito, sendo duas equipas grandes e que reconhecem valor uma à outra, os detalhes podem por em causa as ambições que se levam para um jogo. Detalhes como sofrer um golo de bola parada, lances que o FC Porto tem sido frágil a defender, que neste caso foi o clique que tornou o jogo mais fácil para o Sporting e foi mesmo determinante", comentou.

Para o antigo treinador adjunto do FC Porto, as mexidas de Lopetegui não surtiram efeito já que raramente os "dragões" incomodaram Rui Patrício.

"O FC Porto foi-se remodelando, com a intenção de ter mais presença nas zonas de finalização e de ser capaz de criar maior número de oportunidades. Apesar de ter a bola e ter revelado mais preocupação de apertar com o jogo perto da baliza adversária, o Sporting não lhe permitiu grandes veleidades, acabando depois por marcar o segundo golo e matar o jogo", sublinhou o treinador ao jornal OJogo.

O FC Porto perdeu este sábado em Alvalade por 2-0, em jogo da 15ª jornada da I Liga. Os "dragões" perderam assim a liderançça para os "leões".

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.