Em causa está o alegado impedimento da equipa de reportagem daquele diário desportivo em aceder terça-feira ao jogo FC Porto-Sporting para a Taça de Portugal, à semelhança do que tem acontecido nas conferências de imprensa e 'super-flash' de antevisão aos jogos dos 'dragões'.

Em comunicado, o Sindicato dos Jornalistas condenou este incidente e anunciou que vai pedir à Entidade Reguladora para a Comunicação Social (ERC) e à Procuradoria-Geral da República (PGR) que averiguem os factos e actuem em conformidade, "de modo a que o mundo do futebol deixe definitivamente de constituir um território à margem da lei e os clubes deixem de ser coutadas sob normas privativas de gestão de conflitos"

O Sindicato manifesta ainda solidariedade pública "para com os jornalistas ao serviço de A Bola discriminados no acesso à informação e para com o seu director, que anunciou a intenção de o jornal proceder contra o FCP".

"É tempo de as instâncias competentes tomarem as medidas necessárias de modo a que o mundo do futebol deixe definitivamente de constituir um território à margem da lei e os clubes deixem de ser coutadas sob normas privativas de gestão de conflitos", refere o SJ.

Na sequência do incidente registado terça-feira, o jornal A Bola anunciou "recorrer a todas as instâncias oficiais, incluindo judiciais", para resolver o que cataloga como "persistentes problemas" sentidos pelos seus profissionais que tentam trabalhar nas instalações do FC Porto.

A proibição da entrada de jornalistas em conferências de imprensa e jogos de futebol pelos "três grandes" clubes de futebol portugueses - Sporting, Benfica e FC Porto - nunca provocou qualquer condenação judicial até ao momento.

Apesar de a Constituição da República e o Estatuto dos Jornalistas determinarem que a imprensa é livre para entrar em qualquer evento público (como um jogo de futebol) e nas conferências de imprensa, vários clubes têm violado estas regras mantendo-se, no entanto, impunes.

Quem atentar contra a liberdade de informação, impedindo a entrada ou permanência em locais públicos para fins de cobertura informativa, é, de acordo com o Estatuto do Jornalista, "punido com prisão até um ano ou com multa até 120 dias", no caso de o infractor ser pessoa colectiva pública, "é punido com prisão até dois anos ou com multa até 240 dias, se pena mais grave lhe não couber nos termos da lei penal".

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.