O Sporting venceu o V. Guimarães por 1-0 com um golo de Gonçalo Inácio e segue firme na liderança do campeonato a 10 jornadas do final. O final da partida acabou por ser de emoção, com as lágrimas de Dário Essugo. O menino de 16 anos que fez a sua estreia com a camisola do Sporting e rescreveu a história do clube.

Pressionado pelo triunfo do FC Porto, que tinha vencido em Portimão por 2-1, ao Sporting restava vencer o V. Guimarães e ter menos um jogo pela frente rumo ao objetivo. Face às ausências de Nuno Santos e Coates, Rúben Amorim mexeu, chamando à titularidade Luís Neto e Daniel Bragança. Por outro lado, João Henriques deixou Ricardo Quaresma no banco de suplentes.

Primeira parte de loucos

Bem se pode dizer que no relvado de Alvalade assistiu-se a uma das melhores primeiras partes da temporada, a nível ofensivo. Com vertigem de parte a parte, entre o primeiro e o sexto classificado, embora com nota dominante para a equipa de Rúben Amorim.

O Leão começou por chamar para si o controlo das operações desde cedo, com João Henriques a surpreender, com o Vitória a apresentar-se com três centrais, com André Amaro (jogador dos sub-23), Mikel Agu e Jorge Fernandes. Os primeiros minutos da partida até foram mornos, com o remate de João Mário para defesa de Varela a ser o lance que deu um verdadeiro safanão no jogo. O guardião do Vitória voltou a aquecer aos mãos ao minuto 17´, num remate à meia-volta de Pedro Gonçalves.

Era uma excelente entrada do conjunto leonino, com o Sporting a apresentar-se com uma 'cara diferente', desta feita com novas dinâmicas, face à superioridade no miolo com a entrada de Daniel Bragança que fazia de terceiro homem nessa zona do terreno e trouxe à equipa um melhor critério na circulação.

Com os verdes e brancos a carburar, no lance a seguir foi a barra a fazer a vez de Varela e a tirar o pão da boca a 'Pote', que empurrou para a baliza, com esta a bater caprichosamente no travessão.

Com o Vitória praticamente a ver jogar, os leões atiraram mesmo a bola para o fundo das redes ao minuto 36´, depois de um tento de Tiago Tomás após assistência de Pedro Gonçalves. Contudo, o lance acabou por ser anulado pelo VAR, porque a bola tinha saído pela lateral no início da jogada.

Mas os vimaranenses responderam e de que maneira atirando duas bolas aos postes no espaço de um minuto. Primeiro foi Edwards que numa jogada individual disparou com Adán a defender para os ferros. Na sequência do lance, num pontapé de canto, Jorge Fernandes atirou à barra.

Jogo de loucos portanto a nível ofensivo com o Sporting com mais posse e mais acutilante, porém com o Vitória também afoito e a querer aproximar-se da baliza de Ádan. Os verdes e brancos procuraram de tal forma o golo, que acabaram por ser premiados ainda antes do final da primeira parte. Na sequência de um livre, João Mário levantou o esférico, com Palhinha a assistir de cabeça para o golo de Gonçalo Inácio. O árbitro começou por anular o lance, mas depois e com novo recurso ao VAR, o golo acabou por ser confirmado.

No segundo tempo, o ritmo baixou ligeiramente. O Vitória tentou esticar o jogo, à procura do golo que lhe desse o empate, depois de dois jogos sem somar pontos. Ao minuto 53´, Estupiñan esteve próximo. O dianteiro surgiu frente à Adán mas não conseguiu bater o guardião do Sporting. Contudo, eram os de Alvalade que mantinham o controlo das operações face à maior qualidade no momento da circulação.

A partir do minuto 70´, os dois técnicos tentaram refrescar. No Sporting entraram Paulinho e Bruno Tabata para as saídas de Daniel Bragança e Tiago Tomás. Mas nada se alterava nos alicerces leoninos. Já do lado do Vitória, entrava Quaresma para o lugar de Marcus Edwards. Miguel Luís também rendeu André André, no regresso de dois antigos leões a Alvalade.

O extremo ainda tentou dar um ar da sua graça com vários cruzamentos para a área, mas com os lances a acabarem por ser controlados pela defensiva vitoriana. Nos minutos finais, pedia-se cá em cima na bancada a partir da observação para os jogadores do Sporting não baixarem no terreno. O Sporting ainda sofreu nos minutos finais, mas acabou por segurar os três pontos e segue com 10 sobre o FC Porto a 10 jornadas do final da Primeira Liga.

O final com recordes e emoção

Quase no final da partida, um momento especial com o luso-angolano Dário Essugo, que se estreou apenas 16 anos.

Essugo bateu todos os recordes ao tornar-se no jogador mais jovem da história a atuar na equipa principal dos leões. No final, o jovem jogador que cumpriu 16 primaveras há uma semana, chorou de emoção.

VEJA O RESUMO DO ENCONTRO

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.