Depois de duas vitórias (Braga e Boavista) no arranque da temporada 2020/21 do campeonato, o FC Porto foi derrotado, este sábado, pelo Marítimo por 3-2, em jogo referente à terceira jornada da I Liga, disputado no Estádio do Dragão.

Em relação ao jogo no Bessa, o treinador Sérgio Conceição fez duas alterações, saindo Marchesín (lesionado) e Uribe (ficou no banco) para os lugares de Diogo Costa e Luis Díaz.

Logo aos 12 minutos, o FC Porto apanhou o primeiro susto. Num lançamento da linha lateral, Hermes cruzou para o coração da área onde apareceu Correa a finalizar. O golo inicialmente foi anulado por fora-de-jogo, posteriormente analisado - e confirmado - pelo VAR.

Contudo, aos 24 minutos, a equipa visitante viria mesmo a marcar. Winck lançou a bola para Rodrigo Pinho, este tirou Mbemba da frente, ajeitou a bola e atirou cruzado, longe do alcance de Diogo Costa, abrindo o marcador no Estádio do Dragão.

Já perto do intervalo, o FC Porto conseguiu marcar através de um pontapé de canto batido por Alex Telles. Pepe libertou-se de Lucas Áfrico e desviou de cabeça para o fundo da baliza dos insulares, sem hipótese para Abedzadeh.

O segundo tempo começou da melhor forma para os insulares, novamente com Rodrigo Pinho a concretizar com sucesso. Correa bateu um livre favorável, a bola bateu na barreira, sobrando para uma bomba de Getterson, que acertou no ferro, mas Rodrigo Pinho apareceu para novo remate e bisar na partida.

Aos 70’, esteve à vista o empate. Corona acertou na trave, a bola desviou em Sérgio Oliveira e quase ultrapassou a linha de golo, valendo o corte no limite de René Santos.

A faltarem três minutos para os 90, Rui Costa assinalou grande penalidade favorável ao FC Porto. Na conversão, Alex Telles esteve bem, mas melhor esteve o guarda-redes do Marítimo. Grande defesa de Amir Abedzadeh.

Após este lance, o árbitro foi ao banco da equipa insular e exibiu o cartão vermelho ao treinador Lito Vidigal. “Não posso falar com os meus jogadores?”, perguntou o técnico indignado.

Devido às várias interrupções, geralmente provocadas pelos jogadores do Marítimo, o árbitro deu mais dez minutos de compensação, período em que o Marítimo fez o terceiro golo. Numa transição rápida, Nanu, fora da área, atirou uma bomba indefensável para Diogo Costa.

Os dragões não desistiram e acreditaram até ao último segundo. Aos 99’, conseguiram reduzir a desvantagem, por intermédio de Otávio, num remate do meio da rua, com a bola a sofrer um desvio, traindo Abedzadeh.

Os azuis e brancos ocupam o terceiro lugar da classificação, com os mesmos seis pontos de Marítimo e Benfica, que recebe no domingo o Farense, menos um do que o líder Santa Clara.

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.