O Sporting fez hoje, na vitória (2-0) contra o Manchester City em Nova Iorque, a melhor exibição da pré-temporada, a menos de uma semana do primeiro jogo oficial, defenderam hoje jogadores e o novo treinador dos leões.

“Satisfaz-me esse sentido de crescimento e espero no próximo jogo estarmos ainda melhor porque há muito por fazer ainda”, afirmou o treinador do Sporting na conferência de imprensa após o jogo.

Mais de 13 mil pessoas assistiram à partida no estádio dos New York Red Bulls em Harrison, Nova Jersey, que o Sporting dominou, gerindo no segundo tempo a vantagem alcançada na primeira parte, com dois golos de Yannick Djaló.

“Não vamos vencer todos os jogos, mas quando não vencermos que seja por mérito dos outros e não demérito, desconcentrações, posicionamentos errados, pequenas falhas tácticas que nos podem comprometer”, afirmou.

No estádio dos Red Bulls, o City foi a primeira equipa a criar perigo, com duas boas oportunidades de golo antes do primeiro quarto de hora, embora o Sporting tenha tido sempre mais posse de bola.

Tal como tinha dito após o encontro de quarta-feira em Boston, que o Sporting perdeu nas grandes penalidades com o Celtic (1-1 nos 90 minutos), o treinador leonino afirmou que o onze que jogará para a Liga Europa no dia 29 “não andará muito longe” do de hoje, embora admita algumas alterações.

“Todos devem querer jogar na Dinamarca. As respostas deles [no próximo jogo do torneio de Nova Iorque, no domingo contra o Tottenham], ajudarão a fazer o onze. Costumo dizer que quem faz o onze não é o treinador, são os jogadores”, afirmou.

Para o avançado Hélder Postiga, esta foi até agora a exibição “mais conseguida” do Sporting na pré-época, principalmente a primeira parte.

“Jogamos em equipa, tivemos boa posse de bola, conseguimos materializar as boas jogadas em golos, penso que é mérito de toda a equipa”, afirmou.

O diretor do Sporting para o futebol, Paulo Costinha, realçou o “muito bom trabalho” do plantel.

“O que me tem deixado eufórico é ver uma equipa a trabalhar diariamente com alegria, com personalidade e com uma ambição muito grande de querer fazer bem no primeiro jogo a doer, que é no dia 29, que vale pontos e vale uma qualificação”, disse.

Costinha deixou ainda críticas à “intoxicação” na imprensa sobre compras e vendas de jogadores do clube, que afirma apenas servirem “aqueles que se querem promover”.

Comentada foi a atitude do brasileiro Liedson, que aguardava para entrar quando o jogo terminou, e não ficou no campo para agradecer ao público com o resto da equipa.

O treinador do Sporting começou por desvalorizar a situação e dizer que “os assuntos internos debatem-se” com os jogadores, mas deixou uma mensagem.

“Liedson ou outro qualquer joga o tempo que eu quiser, não o tempo que eles quiserem”, afirmou Paulo Sérgio.

Num dia em que foi noticiada em Itália a venda de Miguel Veloso ao Génova, o treinador afirmou que o médio “é um jogador de topo, para dentro de um ano ou dois, se não mesmo já, jogar no Real Madrid ou Barcelona”.

“Não gostaria de o perder, mas a perdê-lo gostava que jogasse numa equipa de topo porque acho que tem valor e talento para tal”, afirmou.

“Tinha informações de que ele era um bocado `sono´ a trabalhar, e o que me está a mostrar é que não, está com uma atitude extraordinária no trabalho”, adiantou.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.