O Desportivo das Aves e o Freamunde empataram hoje 0-0 na 29.ª e penúltima jornada da Liga de Honra de futebol, resultado que penaliza mais os avenses, os únicos que tentaram vencer o encontro.

As duas únicas explosões de alegria dos sócios e adeptos do Desportivo das Aves foram motivadas por golos marcados a milhares de quilómetros de distância, nos Açores, pelo Santa Clara, que empatou com o Moreirense (2-2), rival dos avenses na luta pela subida.

Desta forma, tudo continua na mesma, com o Moreirense em segundo lugar, com mais um ponto que o Aves, sendo que agora já só sobra um lugar porque o Estoril carimbou hoje a subida de divisão.

O Desportivo das Aves só pode queixar-se de si próprio, tantas foram as oportunidades que desperdiçou, num jogo de sentido único em que o Freamunde, que luta por ficar na Liga de Honra, limitou-se a defender.

A equipa marcou passo na luta pela manutenção, somando agora 31 pontos, os mesmos que o último, o Sporting da Covilhã, mas com apenas menos um que o Portimonense (que empatou com o Trofense), primeira equipa acima da "linha de água" e depende apenas de si na última jornada.

A primeira parte foi de muito fraca qualidade e com raras situações de perigo, com a exceção de um grande remate de Pires, após boa iniciativa individual, que obrigou Tó Figueira a empenhar-se para canto (05).

O Freamunde só através de um cabeceamento de João Rodrigues, após canto da direita, causou calafrios à defesa avense, mas o primeiro grande festejo nas bancadas surgiu aos 26 minutos com o primeiro golo do Santa Clara.

A equipa da casa entrou com tudo na segunda parte para se colocar em vantagem e, logo no primeiro minuto, Vasco Matos caiu na área e toda a equipa e responsáveis avenses ficaram a reclamar grande penalidade, mas o árbitro mandou seguir.

O Aves "asfixiava" o Freamunde com ataques constantes, mas nova explosão de alegria no estádio avense só surgiu com o segundo golo do Santa Clara, mas o Moreirense ainda empataria o encontro.

O Aves lançou-se num ataque desenfreado e dois minutos depois Nélson Pedroso desferiu uma "bomba" ao poste e, logo a seguir (70), Bischoff rematou em arco dando a sensação de golo (70).

Tó Figueira impediu o golo a Tiago Valente (82) com uma defesa por instinto e pouco depois (85) foi o central Hélder Sousa que, já no chão, não deixou que o remate de Pires, na pequena área, entrasse na baliza.

Coroa do desacerto surgiu já aos 90+5 minutos com um cabeceamento à barra de Pedro Cervantes após centro de Nélson Pedroso.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.