O plantel do Beira-Mar reafirmou hoje a intenção de fazer greve no jogo deste sábado com o Académico de Viseu, da última jornada da II Liga de futebol, caso não receba dois dos quatro meses de salários em atraso

Em conferência de imprensa, o jogador Vítor Vinha leu um comunicado do plantel: "Se recebermos dois meses de salários em atraso, vamos a jogo com todo o orgulho e o brio que nos caracterizou, mas se não recebermos, não iremos".

"Sabemos das consequências inerentes, mas mais não podemos fazer, pois estamos numa situação limite" pode ler-se no documento, que sublinha que o último jogo se realizou apenas porque o investidor Paulo Silva pagou um mês de vencimentos.

Os atletas aveirenses queixaram-se da "falta de liderança" do presidente da SAD, Majid Pishyar, que "desde que recuperou a SAD nunca compareceu junto dos jogadores para se inteirar das suas necessidades ou tentar resolver os problemas".

O comunicado dá conta também que o Sindicato de Jogadores Profissionais de Futebol (SJPF) não recebeu até à data a transferência bancária por parte de Majid Pishyar no valor de 45 mil euros para regularizar um dos vencimentos do plantel.

Em declarações aos jornalistas, o capitão Pedro Moreira garantiu que o grupo de trabalho "está aberto ao diálogo", mas que "têm que existir garantias válidas de que os salários vão ser pagos".

A conferência de imprensa contou também com as presenças do presidente do SJPF, Joaquim Evangelista, e com o presidente e presidente adjunto da direção do clube de Aveiro.

Evangelista frisou que "durante a semana várias entidades se reuniram para tentar resolver o problema do Beira-Mar", mas que o processo tem conhecido "muitos avanços e recuos, que levaram a este impasse novamente".

"Quando se apela ao último recurso, é por uma questão de dignidade, mas neste momento julgo que a solução está mais do lado dos administradores da SAD e potenciais investidores" concluiu o líder do SJPF.

O presidente adjunto acrescentou que "a direção do clube está totalmente solidária com o grupo de trabalho", agradecendo o "esforço" do plantel, bem como "o empenho do investidor Paulo Silva para tentar resolver as questões mais urgentes".

Nuno Quintaneiro Martins afirmou que o futebol profissional "tem estado ligado à máquina e Paulo Silva tem sido o ventilador", acrescentando que considera a posição do plantel "legítima e justa", apesar de "custar muito a quem sofre com o Beira-Mar".

Entretanto, Amin Pishyar já está em Aveiro e encontra-se, juntamente com o administrador e advogado da SAD, Carlos Deus Pereira, reunido com os representantes do plantel, do SJPF e com o investidor Paulo Silva.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.