O Cova da Piedade vai responsabilizar a título pessoal o presidente da Liga Portuguesa de Futebol Profissional (LPFP), Pedro Proença, “pelos factos ocorridos na reunião da direção” que conduziram ao cancelamento da II Liga e consequente despromoção do clube.

Através de um comunicado enviado à Lusa, os piedenses acusam Pedro Proença de ter conduzido a reunião de direção da Liga, em 05 de maio, “de forma a condicionar o seu resultado” com recurso a expedientes “reprováveis e violadores da lei” e reiteram a intenção de levar o assunto “até às últimas consequências”.

“O Clube Desportivo Cova da Piedade - Futebol SAD vai por todas as razões que lhe assistem, repor a legalidade e responsabilizar quem tem que ser responsabilizado até às mais últimas consequências”, garante o documento assinado pela administração da SAD.

Na reunião em questão, a direção da Liga aprovou o fim definitivo do campeonato da II Liga e as descidas ao Campeonato de Portugal dos dois últimos classificados no momento da interrupção da prova, Cova da Piedade e Casa Pia, devido à pandemia de covid-19.

Agora, os piedenses juntam-se aos “outros clubes” que vêm “insurgir-se e colocar em causa a postura e os atos” de Pedro Proença pela existência de ”uma agenda pessoal e paralela àquela que seria do conhecimento dos vários clubes".

“A confirmar-se o recente episódio, agora tornado público, protagonizado pelo Sr. Pedro Proença, revela uma personalidade napoleónica, com agendas paralelas, em busca de protagonismo pessoal e porventura populista em tempos de crise, totalmente divorciado das suas funções e das atribuições legais que a sua conduta deveria respeitar”, justifica a SAD piedense.

O documento não especifica, no entanto, se o “episódio” a que se refere se trata do alegado apelo de Pedro Proença ao Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, para interceder no sentido da transmissão em sinal aberto dos jogos da I Liga que faltam disputar.

Por outro lado, reafirma ainda que “o recurso aos tribunais será inevitável” e garante que o clube irá “por todas as razões que lhe assistem” procurar “repor a legalidade e responsabilizar quem tem de ser responsabilizado”.

No momento da interrupção da II Liga, após 24 jornadas, o Casa Pia ocupava o 18.º e último lugar, com 11 pontos, e o Cova da Piedade o 17.º e penúltimo, com 17. O Vilafranquense é a primeira equipa a salvo da despromoção, com 24.

No plano de desconfinamento, devido à pandemia de covid-19, o Governo definiu que a I Liga de futebol e a final da Taça de Portugal vão poder ser disputados, permitindo também desportos individuais ao ar livre, excluindo a continuidade da II Liga.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.