O presidente do CD Trofense, oitavo classificado da última Liga de Honra em futebol, considerou hoje que o negócio que poderá vir a ser feito com uma empresa brasileira «poderá catapultar a equipa para a primeira divisão».

José Leitão - que no início da última época desportiva assumiu, à falta de candidatos, a presidência da Comissão Administrativa do Trofense - disse, em declarações à agência Lusa, que a parceria a celebrar com a empresa LS Soccer, do brasileiro Lucas Santos, pode ser «a salvação do Trofense», embora ressalve que ainda falta a «ratificação dos sócios».

«Vejo-o muito entusiasmado com o clube. Já é trofense. Temos dívidas e nem mesmo por muita boa vontade nossa conseguiríamos resolver tudo. Pensei que íamos fechar portas, mas este homem será a salvação do clube. O contrato celebrado vai viabilizar o Trofense a surgir de novo na primeira divisão», disse José Leitão.

Questionado sobre como se irá materializar o negócio, o dirigente confirmou que a parceria é válida por cinco anos e inclui o pagamento de dívidas por parte da empresa brasileira e os direitos desta à gestão desportiva profissional.

«Fico como presidente, porque sou o elo de ligação entre o clube e os adeptos, mas a compra de jogadores, as ideias de futuro, a constituição da equipa é da responsabilidade deles. Não podia ser de outra forma. Se estão dispostos a investir, e queremos aproveitar, não podia ser de outra forma», referiu o dirigente.

José Leitão sustentou que o CD Trofense tem cerca de um milhão de euros em «dívidas antigas» por saldar e avançou com a possibilidade de «ajudar» a empresa de Lucas Silva «a negociar esta dívida com os fornecedores», garantido que a prioridade é «pagar a funcionários da casa, incluindo jogadores». Atualmente, o Trofense tem os salários em atraso dos meses de março, abril e maio.

O presidente da Comissão Administrativa do Trofense rejeita a ideia de que este negócio faça o clube «perder a sua identidade» e promete «acompanhar de perto» as opções do novo investidor, sem querer avançar, para já, com a confirmação do nome de João Manuel Pinto, ex-jogador do Benfica e FC Porto, entre outros clubes, como futuro treinador.

A possibilidade de fazer do Trofense o «clube satélite» do FC do Porto foi rejeitada por José Leitão: «Não nego que existiram contactos, mas o FC Porto não paga dívidas, por isso optamos por uma outra solução».

O acerto final do negócio com a LS Soccer está dependente de uma assembleia-geral, que ainda não tem data marcada, mas deve realizar-se no início de junho: «Os sócios vão decidir e será isto ou zero, ou então apresentem mais soluções».

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.