Um golo solitário de Dani Massunguna, aos 62 minutos, levou este sábado, em Luanda, ao triunfo da seleção angolana de futebol sobre a similar do Madagáscar, por 1-0, no jogo da segunda-mão da última eliminatória de acesso ao CHAN2018, no Quénia, disputado no Estádio 11 de Novembro.

Com este tento de cabeça do defesa, também desfazendo o persistente nulo, que já havia ocorrido no primeiro desafio, em Antananarivo, no Madagáscar, os Palancas Negras apuram-se à fase final da competição reservada a jogadores que evoluem nos respetivos países.

Inicialmente foram os caseiros a tomarem as rédeas do encontro, com incursões madrugadoras, que inquietavam frequentemente os adversários, muito relegados ao seu sector defensivo. Em resposta, os malgaxes tentaram com alguma timidez penetrar na área dos contrários, aos 10 minutos.

Decorridos 20 minutos, pequeno jogador Vá foi incapaz de aproveitar o melhor posicionamento, deixando-se antecipar pelo guarda-redes do Madagáscar, Randriana Donné.

Nelson da Luz, por pouco, abriu o marcador, ao embater a bola no poste, em consequência do desvio de um cruzamento do seu colega Job, aos 22 minutos.

Volvidos 30 minutos, notável ascendente dos anfitriões, mas sempre contando com uma certa réplica dos visitantes, principalmente, por parte do trio Rakotondrazaka, Andrianarimanana e Raveloarisona, atreviam-se a criar algum embaraço.

Apesar disso, a partida chega ao intervalo, com o resultado em branco. No reatamento, Job perde a soberana oportunidade de pôr em vantagem os angolanos, ao falhar um penálti, a castigar mão a bola do capitão Rakotondrazaka.

O futebolista pontapeia o esférico para fora da baliza do Madagáscar, quando as claques nas bancadas esperavam pelo melhor. Bimbimahefa entrou no lugar de Adrianarimanana, na formação malgaxe, aos 53.

Da pressão, Dani Massunguna inaugurou o marcador para os angolanos, na sequência de cabeceamento e desvio de um livre coberto por Job, facto que levou ao delírio os cerca de 20 mil espectadores na nova catedral do futebol nacional, trajados predominantemente com as cores (vermelho, amarelo e preto) da bandeira do país.

Manguxi rematou forte para o esférico passar rento a baliza do guarda-redes Randriana. Aos 72, saída de Paveloarisona e entrada de Ranaivoson, na equipa do Madagáscar. Da parte angolana, Nelson Luz cede o seu posto ao Burgos.

Ainda substituição de Fanomezana por Vombola, do lado malgaxe, aos 80 minutos. Yano rendeu Vá no plantel dos visitados.

Rakotoarimalala põe em alvoroço os adversários, mas sem a pontaria deseja para visar a baliza angolana, pondo abola nas nuvens. Já na fase derradeira, Paty entra no lugar de Job, nos Palancas Negras, orientados pelo treinador brasileiro-hispano Beto Bianchi.

O jogador Dani Massunguna, vinculado ao clube 1º de Agosto, algum tempo já não era opção na seleção nacional.

Com este resultado, Angola confirma a sua terceira presença numa fase final desta prova, depois do Sudão, em 2011 quando se tornou vice-campeão, bem como em 2016, no Ruanda, em que foram afastados da fase de grupos.

No jogo da primeira mão disputado no passado domingo, em Antananarivo, as duas seleções empataram a nulo.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.