A capitã da seleção portuguesa de futebol feminino Cláudia Neto reconheceu que está cada vez mais difícil constar nas eleitas do selecionador, porém, frisou que há sempre oportunidade desde que se trabalhe.

Depois de Mélissa Gomes e de Vanessa Marques, a experiente jogadora da equipa das ‘quinas’’ falou também à comunicação social sobre o duplo compromisso particular com a seleção da Hungria, bem como do 30.º lugar no ‘ranking’ atingindo por Portugal recentemente e ainda da experiência no atual clube, o Wolfsburgo, da Alemanha.

“Cada vez há mais competição, as jogadoras estão cada vez mais preparadas, são mais profissionais e os clubes dão condições para poderem evoluir. Todas querem e lutam diariamente para aqui estar e, sim, cada vez é mais difícil”, referiu Cláudia Neto, acrescentando: “O grupo está mais apertado, mas há sempre oportunidade para estar neste espaço.”

No primeiro dia de estágio na Cidade do Futebol, em Oeiras, a médio, de 30 anos, abordou o seu afastamento da seleção, por motivos pessoais, mas salientou que o mais importante é estar de volta ao grupo liderado por Francisco Neto.

“É sempre um orgulho representar a seleção. Gosto muito de estar aqui, é a minha casa, foi a minha opção [na altura] e agora estou feliz. Vou continuar a ajudar a seleção para podermos estar mais uma vez noutro Europeu. Já sentia falta de estar com as minhas companheiras”, justificou.

A 30.ª posição alcançada por Portugal no ‘ranking’ mundial deixa a jogadora - já conta 119 internacionalizações - “muito feliz”, contudo lembra que “é preciso continuar a trabalhar e a evoluir para subir ainda mais” na hierarquia.

Para o duplo confronto particular com a Hungria, o objetivo é ganhar e jogar bem, para preparar da melhor maneira a fase de apuramento para o campeonato da Europa de 2021.

“Dois jogos importantes para a nossa evolução e para preparar o apuramento para o Europeu. Vamos dar o nosso melhor para ganhar e preparar a equipa para outubro. Espero, sem dúvida, encontros equilibrados, vão criar-nos dificuldades, mas vamos tentar ganhar o jogo, jogar bem e fazer uma boa exibição”, perspetivou.

Por fim, falou da época no Wolsfsburgo, mostrando-se satisfeita pelo bom momento, sem esquecer de falar da complicada adaptação inicial.

“Tem sido espetacular, sinceramente não estava à espera de jogar tanto, tenho feito os jogos todos, os 90 minutos. No início, custou um bocadinho, a adaptação, a língua, a temperatura, porque faz muito frio. Foi complicado, mas consegui adaptar-me, mostrar o meu futebol, a minha qualidade e estou muito feliz por ser titular e conquistar títulos a nível internacional. Tem sido durinho, mas é bom”, terminou.

As 23 convocadas pelo selecionador Francisco Neto enfrentam a Hungria por duas vezes no Complexo Desportivo de Alverca, com o primeiro encontro a realizar-se no dia 06 de abril, pelas 16:00, e o segundo três dias depois, pelas 15:00.

Os dois desafios servem de preparação para a fase de qualificação para o Campeonato da Europa de 2021, na qual Portugal irá encontrar no grupo E as seleções da Albânia, Finlândia, Escócia e Chipre.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.