Depois de uma fase de apuramento para o Europeu do próximo ano, só com vitórias, Danilo, em entrevista para o podcast '1 PARA 1', com Pedro Pinto, o internacional português considerou que a seleção das quinas é uma das favoritas da competição.

Questionado sobre o segredo para a fase de grupos bem sucedida, o médio do Paris Saint-Germain foi perentório: "Acho que foi muito a interação que tivemos entre staff, equipa técnica e jogadores. Muitas reuniões, muita troca de ideias e isso ajuda a compreender o que é que o staff quer de nós. Não só o treinador em si, mas o restante staff como os adjuntos e os treinadores de guarda-rede".

Danilo deixou também rasgados elogios ao trabalho que tem vindo a ser feito pelo selecionador, Roberto Martínez.

"A forma como ele introduz as suas ideias, como ele trabalha também dentro de campo. É uma pessoa muito exigente. A forma como ele explica e tenta transmitir as suas ideias, não só ao grupo, mas individualmente. Para que toda a gente saiba o seu ponto forte e o que pode dar à equipa".

Depois de 70 internacionalizações pela seleção das quinas e muitos jogos ao lado de Cristiano Ronaldo, Danilo falou também sobre o capitão português.

"Eu tinha 22 anos e não mudou muito. Acho que sente a mesma fome, a mesma ambição de fazer golos. Acho que é o que o define como jogador e é por isso, também, que ele, aos 38 anos, ainda está na Seleção, porque ainda tem essa fome", assumiu.

A passagem pelo FC Porto deixa boas recordações ao médio que se sagrou duas vezes campeão nacional ao serviço dos azuis e brancos.

"O FC Porto foi uma fase da minha carreira que é muito importante para mim, não só porque é um clube que guardo no meu coração. Os meus filhos nasceram no Porto. Continuo em contacto com as pessoas que trabalham no clube e com os meus antigos colegas de equipa. Temos ainda um grupo do WhatsApp em que continuamos a manter contacto. Recordamos sempre aquilo que foi a nossa passagem no Porto. É uma equipa que vai sempre lutar pelo título. Este ano, comparado aos anteriores, não entrou tão bem a nível exibicional. Mas eu acho que é um clube que sabe sempre ganhar, mesmo que as exibições não sejam assim tão fortes", continuou.

Danilo ingressou no Paris Saint Germain, há quatro épocas, dividindo o balneário com Vitinha: "É um miúdo que me deixa muito orgulhoso. Eu saí do FC Porto, mas continuei a acompanhar o FC Porto e vi a progressão dele como jogador. Não o conhecia tão bem como pessoa, e depois tive a felicidade de o ter aqui. De poder fazer parte da integração dele aqui em Paris, que não é fácil. Tem uma mentalidade muito forte, trabalha, sabe ouvir, sabe aceitar as críticas e agora está tão habituado a mim, que já se estica demais. A culpa foi minha. Dei muita liberdade [risos]", concluiu.

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.