José Mourinho nega ter falado com o selecionador de Portugal, Paulo Bento, sobre o caso com Ricardo Carvalho e considera «absurda» a regra pela qual um clube pode ser penalizado por um comportamento de um futebolista na seleção nacional.

Em entrevista à agência Lusa, o treinador português admitiu que o Real Madrid não tem garantias de que a Federação Portuguesa de Futebol (FPF) não vá comunicar à UEFA que Ricardo Carvalho abandonou o estágio dois dias antes do jogo no Chipre, de qualificação para o Euro2012.

«Não, o Real Madrid a única garantia que tem é que o problema foi na seleção e não foi no Real Madrid. E, como tal, o Real Madrid não comenta e, como tal, o Real Madrid não contacta e, como tal, o Real Madrid não espera ser contactado e, como tal, o Real Madrid vive completamente isolado de um problema que existiu fora do contexto Real Madrid», disse.

Antecipando alguma pergunta que aprofundasse o tema, José Mourinho sublinhou: «Problemas que se passam no Real Madrid nunca vi o Paulo Bento comentar, problemas que se passam na seleção eu também não vou comentar».

Mas negou «em absoluto» ter contactado o selecionador ou que este o tenha contactado a ele, após terem surgido notícias em Portugal de que tinha intercedido junto de Paulo Bento para que não fosse feita participação à UEFA, a qual podia resultar numa suspensão do jogador por três meses.

José Mourinho garantiu ainda que as relações entre Ricardo Carvalho e Pepe são «ótimas, como sempre», pelo que o caso surgido na seleção «não pode ter reflexos» no balneário do Real Madrid, porque são «realidades completamente diferentes».

Ricardo Carvalho revelou que abandonou o estágio por se ter sentido «desrespeitado» e sentir «que estava a mais» na seleção, ao perceber que Pepe iria ser titular no Chipre, e ele não, apesar de o seu colega de defesa no Real Madrid não ter realizado todos os treinos.

Quando questionado sobre se está à espera de que o Real Madrid venha a ser prejudicado por este caso, José Mourinho lançou duras críticas às regras que permitem esse cenário.

«A questão não é esperar, nem deixar de esperar. A questão é que eu acho que há leis que nem sempre estão corretas e para mim é uma incorreção a todos os níveis que um clube seja penalizado por um problema que não é seu», frisou.

O técnico lembrou depois que, quando estão ao serviço das seleções, os jogadores estão a representar os seus países.

«Os jogadores saem daqui num dia e voltam aqui uma semana depois. Durante este espaço de tempo o jogador não é meu, o jogador não é nosso, o Carvalho é de Portugal, o Benzema é da França e nós durante este período não temos nada a ganhar, só temos a perder», enfatizou.

Recordou ainda que muitas vezes «os jogadores voltam lesionados e depois perdem períodos importantes de competição no seu clube», que é a sua «verdadeira entidade patronal».

«Portanto, a mim parece-me absurda uma lei que eventualmente possa penalizar um clube que não tem nada, absolutamente nada, a ver com o problema. Agora, nós sabemos que a lei existe, mas ficamos no nosso espaço. O Ricardo Carvalho chega aqui e é jogador do Real Madrid e aquilo que aconteceu na seleção, aconteceu na seleção», sublinhou.

Por isso, nem José Mourinho, nem o Real Madrid vão «fazer qualquer tipo de comentário» sobre o caso, ou tentar abordar a FPF ou Paulo Bento. «É completamente impossível que nós o façamos».

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.