Portugal venceu a Hungria por 1-0 em Budapeste, em jogo do Grupo B da qualificação Europeia ao Mundial2018. Apesar de ter jogado mais de uma hora com mais um jogador, os lusos só marcaram um golo por André Silva, no início do segundo tempo. A vitória garante, para já, um lugar no play-off e deixa Portugal a depender de si para chegar ao primeiro lugar e conseguir o apuramento direto. Para tal só tem de vencer os dois jogos que lhe resta e ficar à frente da Suíça, líder do Grupo que hoje venceu a Letónia.

Não sendo propriamente a fase do ´mata mata`, as duas equipas sabiam que este era um jogo do decisivo: a Hungria estava obrigada a vencer para ainda sonhar com o apuramento ao Mundial2018. Já Portugal entrava em campo com dois objetivos: não perder e assim garantir, para já, um lugar no play-off ou vencer e continuar a depender de si para garantir o primeiro lugar do Grupo B.

E com dois jogos em tão pouco tempo (Portugal goleou as Ilhas Faroé na 5.ª feira), já se sabia que Fernando Santos iria mexer na equipa. O ´engenheiro` do Euro2016 fez quatro trocas, com as entradas de Bruno Alves, Danilo, Fábio Coentrão (regresso à seleção, 697 dias depois) e Gelson.

Os comandados de Fernando Santos entraram bem no jogo, com Cristiano Ronaldo a dar os primeiros sinais de perigo. Os húngaros, conscientes da sua inferioridade técnica, remeteram-se à sua defesa, tentando com passes longos explorar as costas da defensiva lusa, onde Tamás Priskin fazia colocava os seus 1,89 metros e e 81 kg em colisão com Pepe e Bruno Alves. Mas o avançado colocou demasiado empenho nessa luta e atingiu Pepe com o cotovelo aos 30 minutos. Foi expulso com vermelho direto, algo que deixou os húngaros nervosos e Portugal ainda pior em campo

Pior porque depois de perder Coentrão por lesão muscular aos 29 minutos (entrou Eliseu), Portugal passou a jogar pior e a não conseguir lidar com o poderio físico e a agressividade (muitas vezes em demasia) dos húngaros na disputa dos lances. O corredor direito, com Cédric e Gelson Martins, não tinha dinâmica e isso refletia-se no jogo de Portugal. Ronaldo saía muitas vezes da área para procurar jogo, mas não havia espaço. Mesmo assim, quase a terminar a primeira parte, André Silva primeiro e Ronaldo depois, viram Gulacsi negar-lhes o golo. Mas era preciso fazer algo no segundo tempo para derrubar a muralha magiar.

E isso passava por explorar os corredores laterais. Fernando Santos deve ter pedido isso a Gelson já que o sportinguista apareceu com outra disposição, outra dinâmica, acelerando o jogo, ganhando na velocidade e no drible e colocando a defensiva contrária em sentido. E foi pelos corredores que apareceu o golo, numa inversão de papéis: Ronaldo foi lançado por João Mário na direita, cruzou de pé esquerdo para André Silva encostar de cabaça ao segundo poste, aos 48 minutos.

O mais difícil estava alcançado, agora era preciso ter cabeça, gerir o jogo, mas marcar o segundo o mais rápido possível, de modo a acabar com a esperança húngara. É que, mesmo com menos um, a Hungria tentava chegar na frente. Podia ter empatado no minuto seguinte ao jogo de Portugal, mas o remate de Patkai saiu ao lado, num lance em que três jogadores de Portugal falharam o corte na área.

Mesma a ganhar, o jogo não corria bem a Portugal. Havia muita lentidão na circulação da bola, muitas más decisões como remates de longe para fora e cruzamentos bombeados para a área húngara onde Ronaldo e André Silva estavam em inferioridade a nível físico. Fernando Santos não estava a gostar do que via, daí ter colocado Bernardo Silva em campo, no lugar de Gelson, para tentar ter mais bola e mais capacidade de decisão, e mais tarde Quaresma no lugar de André Silva, voltando assim ao 4-3-3.

A Hungria tentou a todo o custo o empate (que não lhes servia de nada) mas acabou derrotada e disse adeus ao Mundial2018. Na derradeira oportunidade do jogo, Patrício negou o golo a Viola e segurou os três pontos.

Nos outros jogos do grupo a Suíça não facilitou e venceu o Letónia por 3-0 (Haris Seferovic voltou a marcar). As Ilhas Faroé venceram Andorra por 1-0 e já levam oito pontos no grupo.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.