O jogo desta quarta-feira entre o líder AC Milan e a Juventus, da 16.ª jornada da Serie A, é crucial na luta pelo 'scudetto', principalmente para a equipa de Turim, que luta pelo seu décimo título consecutivo.

Depois de perder muitos pontos na primeira parte da competição, a viagem a San Siro, no encerramento da 16ª ronda, é fundamental para a Juventus de Andrea Pirlo, que ocupa apenas o quinto lugar da tabela, 10 pontos atrás dos 'rossoneri'. Logo, qualquer resultado que não seja uma vitória sobre o Milan será um passo atrás para o atual campeão.

"Será muito importante, mas não decisivo", relativizou o treinador da Juventus, Andrela Pirlo, ele que jogou 10 temporadas (2001-2011) no Milan. Pirlo frisou ainda, em conferência de imprensa na terça-feira, que este não será um jogo qualquer: "Será uma noite especial para mim", admitiu.

Pirlo, que não poderá contar com o brasileiro Alex Sandro nem com o colombiano Juan Cuadrado, ambos infetados com COVID-19, alertou: "Devemos cometer poucos erros e jogar bem para evitar os contra-ataques do Milan, um dos seus pontos fortes".

Diante da mais que provável ausência do espanhol Álvaro Morata (com problemas musculares), o português Cristiano Ronaldo, em grande forma no domingo contra a Udinese (4-1), será mais do que nunca o principal trunfo ofensivo de uma equipa que não tem conseguido atingir uma regularidade nesta temporada.

Para o capitão 'bianconero' Leonardo Bonucci, a vitória de domingo deve ser um "ponto de viragem". "Temos que recuperar pontos, lugares na classificação, agora mais do que nunca", escreveu, numa publicação na rede social Instagram.

Será, portanto, uma Juventus muito motivada que visitará a jovem equipa do Milan comandado por Stefano Pioli, que continua sem poder contar com o seu craque Zlatan Ibrahimovic. Ausente desde o final de novembro devido a problemas musculares, o regresso aos relvados do atacante sueco não está prevista para antes de meados de janeiro.

- Zlatan ausente -

A jovem equipa do Milan não para de surpreender. Invictos esta temporada, os lombardos mostraram moral de aço e não foram derrotados por circunstâncias adversas, como no domingo, quando venceram o Benevento por 2-0, apesar de jogarem com menos um jogador durante uma hora. Rafael Leão, avançado português, foi autor de um dos golos. E que golo!

"Temos que pensar jogo a jogo; não vamos olhar para a nossa classificação até abril. Contra a Juventus não será um jogo decisivo. Para mim, Juventus, Inter e Nápoles continuam a ser os mais fortes", disse Pioli para tentar diminuir a pressão sobre a sua equipa, que parece estar em condições de encerrar o longo reinado da Juventus.

Uma possível queda dos 'rossoneri' pode ser aproveitada pelos vizinhos Inter Milão para subir ao primeiro lugar da tabela. Os 'nerazzurri', que estão a apenas um ponto, jogam algumas horas antes em Gênova contra a Sampdória (11.º) e uma nona vitória permitirá que continuem a pressionar o grande rival.

A presença de Romelu Lukaku, mais uma vez decisivo no domingo na goleada sobre o Crotone (6-2) ao lado do argentino Lautaro Martínez, é duvidosa devido a um desconforto que o belga sentiu no final do jogo contra os calabreses.

Na luta pelas vagas europeias, AS Roma (3.ª), Nápoles (4.º), Sassuolo (6º) e Atalanta (.7ª) vão tentar não dar um passo em falso contra equipas da parte inferior da tabela (Crotone, Spezia, Genoa e Parma, respectivamente).

Jogos da 16.ª ronda da Serie A

- Quarta-feira:

Cagliari - Benevento

Sassuolo - Génova

Crotone - Roma

Lazio - Fiorentina

Torino - Hellas Verona

Sampdoria - Inter Milão

Bologna - Udinese

Atalanta - Parma

Nápoles - Spezia

AC Milan - Juventus

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.