O Benfica garantiu ontem o apuramento para as meias-finais da Taça da Liga de futebol, depois de vencer o Sporting de Covilhã, por 3-0, em jogo da última jornada do grupo A.

No Estádio da Luz e sem o técnico Jorge Jesus no banco devido a castigo, o Benfica marcou o primeiro aos 28 minutos, pelo suíço Seferovic, ampliando a vantagem na segunda parte pelo uruguaio Darwin Núñez, aos 68, de penálti, e aos 73, numa altura em que o adversário já jogava reduzido a 10 jogadores por expulsão do camaronês Tembeng, aos 39.

Com este resultado, o Benfica termina em primeiro no grupo, com os mesmos quatro pontos do Vitória de Guimarães, mas em vantagem na diferença de golos, enquanto o Sporting da Covilhã não somou qualquer ponto.

As equipas

Para este jogo, Jorge Jesus deixou apenas Seferovic, fazendo dez alterações na equipa inicial. O treinador dos encarnados lançou Helton, Ferro, Morato, Tomás Araújo - que faz a sua estreia absoluta na equipa principal do Benfica - Everton, Meité, Taarabt, Gil Dias, Pizzi e Gonçalo Ramos.

Benfica: Helton Leite; Tomás Araújo, Ferro, Morato; Pizzi, Meite, Taarabt, Gil Dias; Everton, Gonçalo Ramos, Seferovic.

Sporting da Covilhã: Léo; David Santos, Héliton, Jaime Simões, Arnold; Tembeng, Sena, Gilberto; Jean Felipe, Devid, Jô.

O jogo

À entrada para o encontro, o Benfica sabia que precisava de vencer, pelo menos, por 3-0, ou por dois golos de diferença, caso a equipa serrana marcasse, para ficar em vantagem no confronto direto com o líder do grupo A, o Vitória de Guimarães.

Os vimaranenses somavam quatro pontos e cinco golos marcados e três sofridos, enquanto o Benfica tinha apenas um ponto, três golos marcados e três sofridos, pelo que, caso existisse igualdade de pontos, seria a diferença de golos a desempatar.

Os primeiros dez minutos de jogo o Benfica mostrou dificuldades perante a grande acumulação de jogadores do Sporting da Covilhã no meio campo serrano. E, aos 25 minutos de jogo, o Sporting da Covilhã registava já melhores oportunidades de golo que o Benfica.

Com dez mudanças no onze, a equipa de Jorge Jesus deixava transparecer a falta de conexão entre os jogadores e os passes falhados eram uma constante, especialmente quando saíam dos pés de Taarabt ou de Meité. O golo de Seferovic acabaria por trazer algum alento ao Benfica, que recolheu aos balneários com mais ânimo.

Mesmo assim, os encarnados sabiam que estavam ainda a dois golos da final four, mas não desiludiram. João de Deus tirou Meité, Seferovic e Pizzi para lançar Paulo Bernardo, Darwin Nuñez e Rafa Silva. Aos poucos as alterações começaram a surtir efeito.

O segundo e terceiro golos acabariam por surgir exatamente por intermédio de Darwin, primeiro de grande penalidade, aos 68 minutos, e novamente aos 73, graças a um autêntico 'frango' do guarda-redes do Sporting da Covilhã.

O momento

O golo de Seferovic, aos 28 minutos, desbloqueou um jogo que até então não apresentava grande emoção. Com uma jogada estudada, Taarabt bateu um livre para Pizzi, este tocou de calcanhar para Gonçalo Ramos, que serviu o avançado suíço, que apenas precisou de encostar para o fundo da baliza adversária.

O melhor

Com apenas 45 minutos jogados, Darwin Nuñez apontou dois golos e foi fundamental na passagem dos encarnados à próxima fase da Taça da Liga. O avançado uruguaio foi a grande figura do jogo e, sem ele, o Benfica estaria a despedir-se da prova.

O pior

A expulsão de Tembeng prejudicou a equipa do Sporting da Covilhã e, como tal, o avançado camaronês fez por merecer a presença nesta categoria. Os homens de Leonel Pontes tentaram ao máximo 'sobreviver' com dez, mas acabaram por cair.

As reações

João de Deus fala em "bem conseguido", Tomás Araújo admite "nervosismo" na estreia

Leonel Pontes: "Em inferioridade numérica o que a minha equipa fez é de louvar"

Resumo

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.