Carlos Carvalhal, técnico do SC Braga, em conferência de imprensa após a vitória sobre o Benfica na meia-final da Taça da Liga.

Análise da vitória: "Creio que fomos justos vencedores, ganhamos bem. Um jogo contra uma equipa muito boa, uma primeira parte dividida. Na segunda parte ficou tudo em aberto e acabamos por ser a equipa que dominou o jogo. Creio que justificamos a vitória neste jogo"

Substituições não defensivas: "Temos esse defeito. Já historicamente, as nossas equipas, para segurar um resultado, preferimos trocar os avançados para manter os adversários atleta (...) Temos ideia que o melhor é refrescar o ataque para fazer o travão ao adversário. Não gostamos muito de meter defesas, não me lembro de o ter feito.  A intensão foi, sabendo que o resultado era favorável, tínhamos de manter a defesa do Benfica alerta, em sobressalto, para garantir a passagem à final"

Foi o primeiro vencedor da prova em 2008: "É importante para o SC Braga em ano de centenário, o clube fez 100 anos nos últimos dias, queríamos muito estar na final, para a dedicar aos nossa adeptos que queriam estar presentes. É seguir o nosso caminho, temos feito uma abordagem jogo a jogo, queremos que o ultimo jogo seja como se fosse o último da nossa vida. Agora para a final vai ser a mesma coisa, com o SC Braga a estar nas decisões, mas queremos mais e levar a taça para Braga. [A nível pessoal] Não me é igual ao litro, mas com os anos olho mais para o que está a minha frente e isso é o jogo com o Sporting no sábado. Aprendi a focar-me no essencial, nos meus jogadores, no adversário. O resto logo se vê"

Favoritismo na final: "Isto são quatro equipas de 50-50, equipas com qualidade, com as mesmas ambições, cada uma com os seus argumentos. Favoritismo dividido, viemos com a intenção de bater o Benfica e queremos bater o Sporting no sábado, que vem num bom momento, mas temos capacidade de bater qualquer equipa"

Carvalhal do SC Braga é melhor que Rio Ave: "Nós estamos melhores a cada dia, temos a nossa forma. Mal era se não fosse um treinador diferente, se não tivesse evolvido nos vários países onde estive. (...) Vamos evoluindo a cada semana que passa, cometemos erros, mas aprendemos com eles, faz parte. Temos de aprender todos os dias. Se me perguntar se sou melhor treinador do que era na semana passada, sou. "

Ausências no Benfica diminui mérito: "Não vou abordar isso, porque já passamos por isso. Fomos jogar com o Sporting e o vírus atacou os nossos centrais. Eu sei o que é viver isso, sei o que o Benfica está a passar, é muito complicado viver isso. Estamos a viver um momento de pandemia. (...) Entretanto estamos aqui preparados para se voltar a acontecer, sem lamentos. Vencemos com mérito"

Posicionamento do Weigl: "Ficámos um pouco surpreendidos pela inclusão de três médios de raiz e procuramos perceber que posicionamentos iriam ter. Os jogadores interpretaram bem. Se fiquei surpreendido, sim. Mas o efeito surpresa não existiu, porque nos preparamos"

Três vitórias consecutivas frente ao Benfica: "Procuramos fazer o nosso trabalho, sabemos que existem assimetrias entre os clubes. O SC Braga, no patamar em que está, está imediatamente a seguir aos grandes, se um deles tiver um ano menos bom, podemos fazer melhor que isso. (...) O SC Braga está posicionado como um outsider, mas os outsiders conseguem fazer coisas boas e podem ter a capacidade de se bater em campo contra equipas, na teoria e na prática, melhores que nós. (...) Jogo a jogo tentar fazer o melhor possível em todas as competições. Vamos continuar a nossa caminhada, sabendo que vamos entrar num ciclo vertiginoso de jogos de três em três dias, sem qualquer hipótese de respirar"

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.