O FC Porto estreia-se esta terça-feira na Taça da Liga, com a visita ao Santa Clara. Na antevisão à partida, Sérgio Conceição falou sobre as ambições do clube para esta competição, que nunca venceu.

Recorde-se que os açorianos empataram na primeira jornada diante do Rio Ave, 1-1, em Vila do Conde, um resultado que obriga os ‘dragões’ a pontuar.

Taça da Liga: "A nossa ambição é a mesma em todos os jogos, chegar o mais longe possível, chegar à 'final four' como fizemos nos últimos quatro anos e ser um bocadinho mais competentes. O Santa Clara mudou de treinador, observámos o que já foi feito em Leiria e contra o Famalicão, e vem aqui com algumas mudanças no onze inicial. Estamos preparados, percebemos as diferenças que existem entre este Santa Clara e o de Daniel Ramos. É um jogo decisivo."

FC Porto ainda não conquistou a Taça da Liga: "Gostava, claro que gostava [de dar o título ao presidente]. Vivemos de vitórias. Somos quase obcecados por títulos e ficaria satisfeito se o pudesse oferecer ao presidente."

Possível gestão do plantel: "Aqui não damos minutos a jogadores menos utilizados. Os jogadores têm de conquistar os minutos. É preciso olhar para o plano estratégico do jogo, o estado físico dos jogadores, e o fator emocional que também avaliamos e percebemos. Quem está em melhores condições tem a possibilidade de jogar. Fazer a gestão dá a entender que tiramos importância ao jogo e não é o caso. É uma competição que tem crescido ao longo dos anos e queremos chegar à 'final four', é com isso em mente que vamos entrar com o melhor onze. Se perdermos, estamos praticamente fora dessa possibilidade".

Sinais positivos: "Houve muitas coisas positivas em Tondela, mas também houve situações com as quais não ficámos satisfeitos. Todas as modificações que possamos fazer não me criam incómodo, porque o plantel está todo bem, excluindo o Wendell, que está lesionado. Fiz três alterações em relação ao jogo com o Milan, uma forçada, outras porque achava que estrategicamente era melhor para o jogo."

Onze nos Açores: "Poderá haver alterações. É uma competição que tem melhorado. Queremos ganhar. É um troféu que falta ganhar. Vamos iniciar com a mesma determinação."

Trabalho feito com Fábio Vieira: "É o tipo de trabalho que não se deve fazer com ele, já é natural. É preciso definir o espaço que ele pisa, aí sim dou instruções. Isso faz parte daquilo que é o talento do Fábio. É o momento deles. Nós podemos indicar qual o caminho relativo à ocupação do espaço em determinado momento, de maneira a ele respeitar a ideia do treinador".

Impacto de fazer muitas deslocações: "Preocupa. Ainda no último período de seleções, houve três jogadores que não pude contar com eles. Com todo o respeito que tenho pelo Sintrense, o grau de dificuldade é menor, e foi contra eles. Preocupam-me as viagens, os minutos jogados pelos jogadores, é preciso olhar para um passado bem recente, alguns tiveram período de férias curtos, e tudo acumulado não é fácil. Vamos ter um período em que os jogos são quase todos fora, e olhamos para isso, falamos, debatemos, tentamos minimizar uma situação que sabemos que pode ser preocupante."

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.