O FC Porto voltou a perder para o Sporting num desempate por grandes penalidades. Tal como tinha acontecido na meia-final da Taça da Liga (ganha pelos 'leões'), a equipa de Jorge Jesus voltou a levar a melhor a partir da marca dos 11 metros, agora na segunda-mão das meias-finais da Taça de Portugal. Foi o terceiro desempate por penáltis perdido por Conceição para o Sporting. O FC Porto perdeu também o sexto jogo consecutivo em provas a eliminar frente aos dois rivais de Lisboa. Já o Sporting vai estar na sua 28.ª final da Taça de Portugal, prova que já venceu por 16 vezes. Jesus procura o segundo triunfo em quatro finais. O Desportivo das Aves é o adversário.

O jogo: Emoção só na parte final dos 90 minutos

Quem viu os onzes de cada equipa, facilmente perceberia qual a estratégia de cada treinador: Conceição a jogar com o resultado da primeira-mão (1-0 no Dragão, golo de Soares) mas também com o nervosismo do Sporting que tinha pressa em chegar ao golo. A entrada de Maxi para a lateral direita, avançando Ricardo para extremo, e recuando Otávio para o meio e apenas Soares na frente, tinha um propósito: frustrar o Sporting, controlar as operações a meio-campo, jogar num ritmo baixo, sem acelerar o jogo. E isso foi o espelho do primeiro tempo, sem desequilíbrios, sem verdadeiros lances de perigo, exceto dois cruzamentos tensos de Gelson que não encontraram ninguém

O FC Porto, que procurava chegar a final da Taça e vencer, sete anos depois do último triunfo, parecia ter o jogo controlado. As mexidas foram nesse sentido, até para estancar melhor o jogo do Sporting no segundo tempo, já que Jesus mexeu no ataque e alargou as linhas para um 4-4-2 em detrimento do 4-3-3 1 que iniciou o jogo. 7

O Sporting tinha dificuldades em entrar na defensiva azul-e-branca porque o FC Porto tapava-lhe todos os caminhos. E quando conseguia descobrir algum espaço, havia precipitação no passe. Conceição tinha dito que era importante marcar até porque, com isso, obrigava o Sporting a marcar e vencer por uma diferença de dois golos para seguir em frente. Soares teve essa hipótese no início do segundo tempo, mas Coates, com ajuda de Mathieu, anularam as intenções do brasileiro, que apareceu isolado após passe de Brahimi.

O jogo só ganhou emoção na parte final. Aos 84 minutos, Marcano falhou um corte na área após canto, a bola foi ter com Coates que não desperdiçou e empatou. Na resposta, bola no fundo da baliza de Patrício após três cabeceamentos seguidos à barra: Marcano, Reyes e Felipe. O mexicano meteu a bola na baliza, depois do cabeceamento do brasileiro aos ferros, mas Felipe estava adiantado, pelo que Jorge Sousa anulou o golo. Uma final de loucos, depois de 84 minutos mornos.

No prolongamento o Sporting parecia ter mais frescura física e podia ter marcado por Gelson mas o seu remate saiu torto e ao lado, quando Alvalade se preparava para gritar golo. Brahimi teve nos pés o empate e consequente apuramento do FC Porto aos 120 minutos, mas rematou por cima. Nas grandes penalidades, muito sangue frio dos 'leões' que converteram todos os cinco remates. Do lado do FC Porto, só marcaram defesas e jogadores da linha média (Felipe, Sérgio Oliveira, Alex Telles e Reyes). Só Marcano falhou.

Segunda vitória consecutiva do Sporting frente ao FC Porto na Taça de Portugal, terceiro desempate seguido por penáltis perdido por Conceição. No final, a festa foi leonina.

Esta foi a primeira derrota do FC Porto em clássicos esta época. A equipa azul-e-branca perdeu, pela quinta vez consecutiva, no desempate por grandes penalidades e só fez um golo nas últimas cinco deslocações (uma vitória, um empate, três derrotas).

Momento-chave: Coates aproveita falha de Marcano para empatar eliminatória

Numa altura em que o FC Porto já fazia as contas aos minutos que faltam e o Sporting tentava o tudo por tudo, Marcano falhou um corte na sequência de um canto e deixou a bola em Coates. O central uruguaio dos 'leões' rematou, com a bola a bater no poste e morrer no fundo das redes. Estava empatada a eliminatória, aos 84 minutos.

Os melhores: Gelson contra todos, Herrera incansável

Gelson: foi o principal desequilibrador do Sporting, principalmente no segundo tempo. Este basicamente em todos os lances de perigo do Sporting. Foi muito bem marcado, mas quando teve espaço, conseguiu criar perigo.

Herrera: o mexicano parece ter forças que nunca mais acabam. Tentou levar a equipa pela frente, tal como Brahimi: correu, recuperou bolas, acabou a jogar perto dos avançados após o golo do Sporting, numa altura em que Reyes e Sérgio Oliveira estavam em campo.

Os piores: Marcano e os ferros

Marcano: falhou o corte aos 84 minutos, colocando a bola em Coates que empatou a eliminatória. O espanhol foi o único a falhar nas grandes penalidades, acertando no poste, tal como já tinha feito a seguir ao golo do Sporting. Uma noite infeliz do espanhol.

Bas Dost: o holandês provou, mais uma vez, que não está talhado para estes grandes jogos. O 'holandês voador' tem dificuldades em impor-se frente a defesa mais cotados e, voltou a faze-lo frente ao FC Porto. Marcano e Felipe 'secaram' Bas Dost até Jesus o trocar por Doumbia.

Reações: Jesus destaca 'alma de leão', Conceição frustrado

Jorge Jesus: “Esta equipa tem um coração muito grande”

Montero: “O Sporting merece estar na final”

Sérgio Conceição: “Pelos dois jogos, merecíamos estar no Jamor”

Ricardo Pereira: “Agora é voltar a pensar no campeonato e fazer tudo para ganhar”

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.