O treinador do Futebol Benfica, Pedro Bouças assumiu hoje que a final da Taça de Portugal de futebol feminino será "um jogo de tripla", enquanto Paula Pinho, do Albergaria, "não encontra pontos fracos" nas lisboetas.

Na conferência de imprensa de antevisão da 12.ª edição da Final da Taça de Portugal de futebol feminino, que coloca frente a frente Futebol Benfica e Clube Albergaria, duas formações que já participaram em finais, mas nunca venceram, o treinador das lisboetas afirmou ser um encontro "tremendamente difícil", em que vai defrontar "uma equipa muito bem organizada".

"Esperamos vencer, sabendo que será tremendamente difícil, vamos enfrentar uma equipa extremamente bem organizada, com individualidades muito fortes, mas quem chega a uma final tem sempre pensamento de vencer. Independentemente da classificação [do campeonato], este será um jogo de tripla", explicou.

O Futebol Benfica, que se tornou este ano campeão nacional pela primeira vez na sua história, também no ano passado chegou à final, de onde saiu derrotado por 1-0, num encontro frente ao Ouriense, jogo que para o técnico do "fófó" se disputou em circunstâncias "diferentes".

"No ano passado as circunstâncias da final eram diferentes, jogávamos nós contra o campeão nacional [Ouriense].Hoje somos nós o campeão nacional, que de certa forma nos poderá dar algum favoritismo", disse.

No entanto, Pedro Bouças esclareceu de imediato que o favoritismo atribuído à sua equipa é "bastante teórico", apontando o contra-ataque como o ponto forte da equipa de Albergaria-a-Velha.

"Temos noção que esse favoritismo é bastante teórico. É um jogo de tripla. [O Albergaria] É muito forte no contra ataque, porque tem jogadoras no meio campo a lançar as duas extremos. Mesmo tendo mais bola, temos consciência que o Albergaria nos pode ferir", concluiu.

Do outro lado do campo estará o Clube Albergaria, que embora não se tenha conseguido apurar para a fase de campeão do campeonato nacional, não perde desde Dezembro, e a equipa de Paula Pinho "está confiante" com "o pensamento na vitória".

"Só temos o pensamento na vitória, a equipa está confiante, preparou-se convenientemente. Temos pela frente um adversário super-motivado, que na minha opinião, o grande forte é o coletivo face à experiência das jogadoras, mas obviamente que vimos cá para ganhar", clarificou.

A treinadora do Clube Albergaria, que também já por duas ocasiões marcou presença em finais da Taça de Portugal - perdendo ambas para o 1.º Dezembro, em 2008 e 2012 -, considera a final "um jogo difícil e aberto", reiterando que não encontra "pontos fracos" na equipa adversária.

"Espero que as três equipas estejam no seu melhor e se isso acontecer não tenho duvidas que será um jogo aberto e uma excelente propaganda para o futebol feminino. Será um jogo difícil, aberto. Eu não encontro pontos fracos na equipa adversária", explicou.

Paula Pinho considera a final da Taça o jogo " mais apetecível da época desportiva", reiterando que a sua equipa está preparada para "ultrapassar o grande desafio" e bater o Futebol Benfica.

A médio Patrícia Gouveia, que já venceu cinco Taças de Portugal, todas ao serviço do 1.º de Dezembro, espera conquistar a ‘dobradinha’ ao serviço do Futebol Benfica, reiterando que a equipa “vai entrar para vencer, para atingir o segundo objetivo” da época.

Por parte do Clube de Albergaria, Jéssica Silva mostrou-se feliz por disputar a final da Taça de Portugal, que considera ser “um orgulho tremendo e uma felicidade tremenda”, explicando que “vai ser um jogo bastante equilibrado e bastante emotivo”.

As equipas que nunca venceram a prova ‘rainha' do futebol português medem forças a partir das 17:00 de domingo, no Estádio Nacional, numa partida que será arbitrada por Catarina Campos, de Lisboa.

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.