Seis golos, muito VAR, pedidos de penalti, duas reviravoltas, um penalti falhado e um prolongamento. O Nacional-FC Porto foi um jogo frenético, com muitos lances de golo mas no final acabou por serem os 'dragões ' a seguir em frente na Taça, após vitória por 4-2. Luis Diaz, Evanilson, Sérgio Oliveira e Taremi marcaram para o FC Porto, Riascos e Rochez para o Nacional que falhou um penalti aos 119 minutos.

Na próxima ronda o FC Porto vai defrontar o vencedor do jogo entre o Gil Vicente e o Académico de Viseu.

O jogo da próxima sexta-feira com o Benfica pedia mudanças para este encontro e Sérgio Conceição fez seis, mudando mais de metade da equipa que goleou o Famalicão por 4-1 na passada sexta-feira. Marchesín, Zaidu, Mbemba, Uribe, Otávio e Marega ficaram fora do onze, entrando Diogo Costa, Pepe, Sarr, Grujic, Díaz e Toni Martinez a titulares.

FC Porto a dominar, Nacional eficaz

Num terreno irregular, fruto do mau tempo que se abateu na Madeira nos últimos dias, os 'dragões' dominaram o encontro, como já se previa. Sérgio Oliveira ensaiou um canto direto que foi à barra aos cinco minutos, um minuto depois de ter atirado por cima.

Aos 22 minutos chegou o primeiro da partida. Luis Díaz vou lançado na direita, fletiu para o meio e rematou colocado, fazendo um golaço.

Esperava-se que o tento pudesse relançar um FC Porto mais confiante mas o Nacional empatou logo de seguida, no primeiro lance de verdadeiro perigo. Riascos encarou Malang Sarr, centrou tenso para Bryan Rochez ganhar na área, rodar sobre Pepe e atirar sem hipótese de defesa de Diogo Costa, aos 25.

A equipa de Sérgio Conceição continuou na procura do golo e ameaçou várias vezes no primeiro tempo. Aos 312 minutos, Diogo Leite atirou à barra, num livre direto. Aos 35 é Luis Díaz a combinar com Corona e entrar na área mas o remate do colombiano passou a centímetros do poste. No segundo minuto de compensação, o guarda-redes Piscitelli teve de afastar com os punhos um livre de Sérgio Oliveira, um dos mais rematadores do jogo.

O segundo tempo arrancou como o primeiro: o FC Porto a pressionar, à procura de ganhar vantagem, o Nacional a defender como podia e tentar sair para o ataque. Piscitelli voltou a estar em evidência aos 55, ao negar o golo a Sérgio Oliveira, em mais um livre em zona perigosa.

E, tal como no primeiro tempo, ao segundo ataque com perigo do Nacional, a equipa de Luís Freire marcou. Agora pelo lado direito, Gorré ganhou sobre Pepe, meteu no lado contrário para Riascos que recebeu, controlou e aproveitou o espaço dado por Sarr para fuzilar a baliza de Diogo Costa, fazendo a reviravolta no encontro, aos 62 minutos.

Logo de seguida a equipa madeirense ficou reduzida a dez elementos, após expulsão, com duplo amarelo, do capitão Rui Correia. O árbitro António Nobre considerou que o central fez falta em zona perigosa sobre Toni Martinez e expulsou-o. Na marcação, Sérgio Oliveira atirou por cima.

Luís Freire refez a equipa, com a entrada do central César no lugar de Rochez. Conceição colocou toda a 'carne no assador', com as entradas de Marega, Otávio, João Mário e Zaidu, nos postos de Sarr, Nanu, Grujic e Toni Martinez.

O empate quase chegaria aos 80 minutos, num bom trabalho de Taremi na área mas o remate do iraniano desviou em César e saiu. O guarda-redes estava batido.

Banco a render juros: Evanilson entra e evita eliminação. Sérgio Oliveira resolve no prolongamento

A última aposta de Sérgio Conceição foi Evanilson no lugar de Diogo Leite, aos 88 minutos.  E pode-se dizer que o treinador acertou em cheio, já que o avançado brasileiro empatou aos 89 minutos, no primeiro toque na bola. Taremi arrancou pela zona central e deixou em Evanilson na hora certa para o avançado finalizar de pé esquerdo, em esforço para o 2-2. Os madeirenses pediram mão do iraniano mas o árbitro António Nobre e o VAR Vasco Santos assim não entenderam.

Antes de o jogo ir para prolongamento, o FC Porto pediu falta de Júlio César sobre Taremi mas o árbitro, depois de ver as imagens do VAR no monitor, mandou seguir.

Depois de Pepe e Evanilson terem ameaçado nova reviravolta no jogo (remate por cima e defesa fantástica de Piscitelli), o FC Porto vai chegar ao 3-2 aos 102 minutos. Canto de Otávio para a entrada da área onde aparece Sérgio Oliveira a encher o pé e fazer o 3-2. A defesa do Nacional estava a 'dormir', Piscitelli nada podia fazer, ficou 'pregado' ao relvado.

Na segunda parte do prolongamento, o FC Porto passou a circular a bola, a tentar chamar o Nacional, para depois lançar Taremi, Evanilson e Marega. Já com Loum no lugar de Luis Diaz, Evanilson vai ter uma oportunidade de ouro para o 4-2 aos 115 minutos, após grande lance de Taremi mas o avançado brasileiro, na pequena área, conseguiu atirar para fora. Era muito difícil não acertar no alvo mas… Evanilson conseguiu.

Taremi mostrou mais pontaria e, a passe de Otávio, empurrou para o 4-2, dando uma 'machadada' no encontro aos 115 minutos.

Mas ainda havia tempo para mais. Aos 119 minutos, grande penalidade, após mão na bola de Loum na área. Na conversão, Thil atirou forte mas Diogo Costa voou e defendeu.

Esta foi a 10.ª vitória consecutiva do FC Porto.

Nos quartos de final o FC Porto vai jogar com o vencedor do Académico de Viseu-Gil Vicente.

Este prolongamento não estava nos planos de Sérgio Conceição, principalmente num terreno pesado. Na sexta-feira há clássico com o  Benfica no Dragão, para a Primeira Liga.

Veja o resumo do jogo.

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.