O Clássico entre Benfica e FC Porto foi muito "quentinho", cheio de picardias, vários amarelos e com quatro expulsões.

O primeiro a ver a cartolina vermelha foi Siqueira, que, no curto espaço de tempo, fez duas faltas merecedoras de amarelo. O Benfica jogou mais de uma hora com menos um jogador mas mesmo assim ainda marcou dois golos ao FC Porto e passou à final da Taça de Portugal.

Perto do final do encontro, Ricardo Quaresma também recebeu ordem de expulsão por duplo amarelo, aos 88 minutos. O Mustang envolveu-se numa confusão com Maxi Pereira e acabou por ver o segundo amarelo, aparentemente por protestos.

Logo de seguida foi Luís Castro a ser convidado a abandonar o banco de suplentes. O treinador do FC Porto disse que apenas afirmou que tinha deixado haver jogo após o 3-1. Pedro Proença assim não entendeu e expulso-o do banco.

Jorge Jesus também foi expulso, dois minutos antes de Luís Castro. O técnico do Benfica ter-se-á excedido nos protestos e foi obrigado a abandonar o bando de suplentes.

Além destas expulsões, Pedro Proença puxou da cartolina amarela em 12 ocasiões, já contabilizado os quatro que valeram as expulsões de Siqueira e Quaresma.

O Benfica venceu o FC Porto por 3-1 e está na final da Taça de Portugal onde vai defrontar o Rio Ave que eliminou o Braga. Na primeira mão os Dragões tinham ganho por 1-0.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.