André Villas-Boas era um treinador visivelmente satisfeito na conferência de imprensa após a vitória do FC Porto, por 3-1, sobre o Benfica, que permitiu a reviravolta nas meias-finais da Taça de Portugal e valeu o consequente passaporte para o Jamor.

«A motivação para este jogo era uma oportunidade histórica e mudar o destino. Acreditámos e demos tudo por tudo. Tinhamos tudo a ganhar e o Benfica tinha tudo a perder», afirmou o técnico portista, depois da sua quarta vitória em cinco confrontos com o Benfica nesta temporada. 

«Era um desafio extremamente complicado, mas fizemos uma segunda parte muito muito boa. O primeiro golo era decisivo e assim foi. Crescemos emocionalmente, rapidamente chegámos ao segundo e aí tivemos o domínio total. Houve muita competência para dar a volta», reforço Villas-Boas, acrescentando: «O FC Porto não só inverte a eliminatória, mas pode ultrapassar o Benfica em troféus e isso é uma coisa que valorizamos muito.»

O treinador dos dragões desvalorizou a importância das suas palavras ao intervalo, apesar dos golos portistas só terem surgido no segundo tempo: «As palestras não definem as coisas desse modo. É apenas talento e uma crença muito forte, que se tem reflectido num número muito importante de vitórias.»

Questionado sobre qual o triunfo na Luz que tinha mais sabor, se o desta noite ou o que deu o título de campeão, Villas-Boas, não escondeu a sua preferência. «São muitas emoções juntas. O campeonato fica para a história, pois inverter uma eliminatória não é novidade para ninguém. Não tem sabor nenhum se não vencermos o troféu.»

O FC Porto conseguiu esta noite o apuramento para a final da Taça de Portugal, onde irá encontrar o Vitória de Guimarães. 

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.